sábado, 10 de Setembro de 2016 11:00h Pollyanna Martins

Hospital São João de Deus apresenta nova Comissão Interventora

Eliz Regina Guimarães é a nova administradora do hospital

O Hospital São João de Deus anunciou nesta quinta­-feira (8) a nova Comissão Interventora. Em um comu­nicado oficial, a instituição informou que “a comissão, aprovada pelo Conselho Cura­dor da Fundação Geraldo Cor­rêa e Ordem Hospitaleira, vem a público comunicar sobre a intervenção administrati­va consensual por meio da celebração do TAC – Termo de Ajustamento de Conduta, datado em 11 de agosto, com o Ministério Público”. Geraldo Lucas Lamounier será o Se­cretário Executivo, Eliz Regina Guimarães será a Adminis­tradora Hospitalar e Eduardo Mattar o Diretor Técnico. Ainda de acordo com o comunicado oficial, a implantação de uma “ação sistêmica colegiada de recuperação à assistência à saúde”, será o objeto do plano de ação.

Em agosto, o coordenador do Centro de Apoio das Promo­torias de Justiça de Defesa da Saúde (CAO-Saúde), promotor Gilmar de Assis, apresentou o novo plano de gestão do Hos­pital São João de Deus (HSJD). Conforme o promotor, o novo plano de ação contaria com uma comissão interventiva, composta por representantes do Ministério da Saúde, Se­cretaria de Estado de Saúde (SES), Conselho Regional de Medicina (CRM), e Conse­lhos de Secretarias Municipais (COSEMS), e um secretário executivo seria eleito para fazer a transição com a atual gestora do hospital. Ainda segundo Assis, a comissão trabalhará de maneira voluntária por um ano, podendo ser prorrogada por mais um ano.

Segundo o promotor, após a indicação do secretário exe­cutivo, em um segundo mo­mento, o administrador fará a gestão do hospital e o secretá­rio executivo será a referência da comissão interventiva para executar as diretrizes estabe­lecidas. De acordo com Assis, neste novo modelo de gestão, foram definidas 51 tarefas a serem feitas, sendo que boa parte das funções já foram cumpridas, como o conven­cimento político da adesão do Ministério da Saúde, da SES, do COSEMS à comissão interven­tiva, o levantamento de forma emergencial dos haveres e da decomposição do passivo do hospital. “Nós recebemos hoje – 11 de agosto – o relatório de atividades prestadas até 30 de junho de 2016 pela Dictum, e a gente já começa a fazer uma transição”, informou.

SITUAÇÃO GRAVE

Em agosto, o HSJD estava com uma dívida de R$ 133 milhões, os dois tomógrafos quebrados, quatro clínicas fechadas – urologia, ortope­dia, vascular, hemodinâmica – além da pediatria e mater­nidade comprometidas. Con­forme o promotor ressaltou, a situação do hospital é trágica e a instituição precisa “res­pirar e sair dessa situação de asfixia”. Segundo Assis, toda a atual situação do hospital foi detalhada no Termo de Ajusta­mento de Conduta (TAC). “Nós temos um plano, nós vamos ter um plano de ação robusto, com credibilidade, solidário, articu­lado, técnico operacionalmen­te, e financeiramente, essa é a grande diferença”, definiu.

ESTADO

Nossa reportagem entrou em contato com a Secretaria de Estado de Saúde (SES), mas, até o fechamento desta edição, não tivemos retorno.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.