segunda-feira, 3 de Outubro de 2016 12:53h Mariana Gonçalves

Marquinho Clementino faz avaliação sobre o período de sua campanha

O candidato pelo PROS à Prefeitura de Divinópolis, Marquinho Clementino, votou por volta das 9h de ontem no Colégio Armando Nogueira. Ele estava acompanhado da esposa, Gláucia Sbampatto, e do vice, Dênis Fagundes.

 

Em entrevista à imprensa, Marquinho fez um balanço sobre o período de campanha, segundo ele, foram semanas de muito trabalho, mas que valeram à pena. “Ao longo dessa caminhada, Dênis e eu visitamos o maior número de pessoas possíveis, empresas e entidades. Explicamos qual o nosso plano de governo, as nossas principais ações e a população, pelo que pudemos observar, entendeu muito bem qual a nossa proposta, nos receberam muito bem”, disse o candidato, se mostran­do bastante otimista.

Marquinho falou também sobre o quão é importante de as pessoas participarem deste momento de forma ativa, não se anulando perante a urna. “Nó último debate em que participei, comentei a impor­tância de se votar, não anular o voto, não se abster de votar, esse direito de escolher os governantes foi conquistado com muita luta, vivemos um momento da nossa história onde a população era impe­dida de votar e tinha que ser governada por aqueles que um determinado grupo desejaria que fosse, e não um desejo de massa”, afirmou o candidato, frisando ainda que “é impor­tante que as pessoas realmen­te exerçam seu direito de votar e escolham as pessoas certas para levar a nossa Divinópolis cada vez mais adiante”.

NÃO CONTABILIZADOS

Antigamente, o voto bran­co era levado em conta na hora de calcular a maioria absoluta dos votos em uma eleição. Após a Constituição de 1988, a situação mudou. Assim como o voto nulo, o voto em branco não é considerado entre os votos válidos, que são aqueles usados pela Justiça Eleitoral na hora de calcular quem foi eleito.

Por isso, mesmo se a maio­ria dos eleitores votar branco ou nulo, ainda assim, a eleição não é anulada e vence o can­didato mais votado.

Hoje, a diferença entre branco e nulo está no modo como o eleitor registra esses tipos de votos.

O voto branco é registrado ao se apertar, na urna eletrôni­ca, o botão escrito "branco".

Já o voto nulo, é com­putado quando o eleitor digita um número que não pertence a nenhum can­didato e aperta o botão

"confirma".

Já o voto em legenda, é possível nas eleições propor­cionais (para vereador e para deputado). Em vez de escolher um candidato, o eleitor tem a opção de votar em um partido (a legenda).

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.