sábado, 1 de Outubro de 2016 11:01h Atualizado em 2 de Outubro de 2016 às 13:47h. Jotha Lee

Novos vereadores e prefeito de Divinópolis serão conhecidos três horas após o fim da votação

Amanhã, 15.692.241 eleito­res devem ir às urnas em Minas Gerais escolher os prefeitos, vice-prefeitos e vereadores, de acordo com o Tribunal Regio­nal Eleitoral. Em todo o Estado são 2447 candidatos a prefeito e 73.733 postulantes a uma cadeira nas câmaras munici­pais. Em Divinópolis, 158.937 eleitores estão aptos a votar. O eleitor divinopolitano terá a opção de cinco candidatos para a prefeitura e 313 para a Câmara Municipal.

A votação tem início às 8h e vai até as 17h. De acordo com Cinthia Greco, chefe de car­tório da 103ª Zona Eleitoral, a apuração começa tão logo seja concluído o fechamento das sessões. Ainda segundo ela, a previsão é de que a contagem dos votos seja concluída em menos de horas. “Acredito que três horas depois do fim da votação, já conheceremos os candidatos eleitos”, informou.

De acordo com a assesso­ria de imprensa do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), para votar, o eleitor não precisa levar o título, mas é obrigatório que compareça à seção eleitoral com um documento oficial de identificação com foto, mesmo no caso de quem fez o cadastramento biométrico. São aceitos: carteira de identi­dade, certificado de reservista, carteira de trabalho, carteira nacional de habilitação com foto, identidades funcionais e o passaporte. Caso o eleitor não possua um documento com foto, não poderá votar usando certidão de nascimento ou de casamento. O título de eleitor não é obrigatório para que o cidadão possa votar, mas a Justiça Eleitoral recomenda que ele seja levado para facilitar a localização da seção no local de votação.

O dia das eleições requer ao eleitor atenção a algumas regras estabelecidas na legis­lação eleitoral. A assessoria de imprensa do TRE lembra que na cabina de votação é proibi­do portar aparelho de telefonia celular, máquinas fotográficas, filmadoras, equipamento de radiocomunicação, ou qual­quer instrumento que possa comprometer o sigilo do voto. Esse tipo de equipamento ficará retido na Mesa Recep­tora enquanto o eleitor estiver votando.

PODE

A assessoria do Tribunal lembra que durante sua par­ticipação na votação, é permi­tida ao eleitor a manifestação individual e silenciosa de sua preferência política. Essas ma­nifestações só podem ser feitas exclusivamente pelo uso de bandeiras, broches e adesivos. Já a aglomeração de pessoas em qualquer local público ou aberto ao público portando vestuário padronizado, carac­terizando manifestação coleti­va, é proibida no dia da eleição.

Apesar de a legislação per­mitir a manifestação do eleitor, ela não pode se transformar em propaganda de boca de urna ou pedido de votos. O recrutamento de eleitores ou a propaganda de boca de urna é crime eleitoral e se configu­rada, por causar a cassação do registro do candidato.

O eleitor que estiver fora de sua cidade pode justificar a ausência em qualquer local de votação, das 8h às 17h. Para justificar no dia da eleição, o eleitor deverá ter o núme­ro do título, um documento de identificação com foto e o formulário de justificativa preenchido. Se o eleitor não se justificar no dia das eleições, tem até 60 dias para fazê-lo (até 1º de dezembro de 2016, com relação ao primeiro turno e até 29 de dezembro de 2016, com relação ao segundo turno), em qualquer cartório eleito­ral, apresentando documento que justifique a ausência, por exemplo, atestado médico.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.