terça-feira, 11 de Outubro de 2016 18:26h Diego Henrique

PC apresenta jovem que matou entregador de bebidas em Divinópolis

Matheus Henrique Martins Lopes, de 19 anos, confessou o crime e está preso

DIEGO HENRIQUE
redacao@gazetaoeste.com.br

 

A Polícia Civil (PC) apre­sentou ontem (10) o jovem, de 19 anos, que confessou ter matado o motorista Jesus Mi­randa Machado, de 58 anos. O crime aconteceu no dia 20 de agosto, quando a vítima fazia entrega de bebidas no bairro São Roque, em Divinópolis. Jesus foi morto com um tiro no abdômen.

De acordo com a delegada Angelita Soares, o investigado, Matheus Henrique Martins Lopes, tentou assaltar a víti­ma, quando entraram em luta corporal e a arma, um revólver calibre 380, disparou aciden­talmente.

 

“Ele contou que, no dia do fato, ele saiu de casa pela ma­nhã de posse de uma arma de fogo e o intuito dele era cometer um assalto, sem vítima certa. Ele visualizou um caminhão de bebidas parado na porta de um bar e foi até os ajudantes. Ele pediu dinheiro e entrou no bar para buscar o motorista, que entregou para o autor um ma­lote vazio e, logo em seguida, eles entraram em luta corporal. O autor alega que o disparo foi acidental, devido eles terem en­trado em luta corporal e que ele não queria matar essa pessoa. Ele foi para roubar e não para matar”, contou a delegada.

Após o crime, Matheus Henrique jogou a arma em um rio e fugiu. O jovem só foi preso no dia 25 do mês passado, ao ser abordado em um veículo clonado. Segundo a delegada, a ajuda da população foi impor­tante para que o suspeito fosse identificado.

“Nós sabíamos que era um jovem de até 22 anos, de olhos claros e tatuagem na perna, mais nada. Ele chegou a pé, não tinha circuito interno, não tinham filmagens e, por isso, foi importante fazer a recons­tituição para que as pessoas começassem a denunciar”, explicou Angelita.

Durante as investigações, foram feitas várias buscas e apreensões, além de várias testemunhas e suspeitos que foram ouvidos. Matheus Hen­rique foi reconhecido através de uma testemunha.

“Tinha uma testemunha que era muito importante, ela estava no bar. Ela reconheceu tanto o físico quanto a voz do autor. Ele confessou e alguns detalhes que ele deu do crime batem com a reconstituição, como as pessoas nos narraram”, disse.

Thiago Henrique, que tem passagens por porte de arma de fogo e receptação, será in­diciado por latrocínio e a pena pode ultrapassar 20 anos de prisão. O rapaz está preso pre­ventivamente.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.