terça-feira, 30 de Agosto de 2016 13:42h Jotha Lee

Prefeitura reduz déficit na execução orçamentária e busca equilíbrio para fechar contas

POR JOTHA LEE

jotalee@gazetaoeste.com.br

 

O prefeito Vladimir Azevedo (PSDB) ficou como uma de suas metas prioritárias nesse seu último ano de mandato o controle dos gastos públicos para conseguir fechar as contas em dezembro. Conforme determina a Lei de Responsabilidade Fiscal, ele não pode deixar dívidas correntes para o próximo prefeito e para conseguir isso, vem adotando medidas importantes na máquina administrativa. No início do ano, o déficit na execução orçamentária era de R$ 104 milhões, porém as medidas de contenção de despesas estão lentamente surtindo os efeitos desejados e no fechamento dos primeiros sete meses do ano, constatou-se uma redução para R$ 45,9 milhões. É o que mostra o relatório demonstrativo de receita e despesa que acaba de ser publicado pelo município no Diário Oficial dos Municípios. “Vou entregar a prefeitura para o próximo prefeito conforme determina a Lei. Estamos trabalhando para isso”, foi o que disse o prefeito Vladimir Azevedo.

Além das medidas de contenção de gastos, a receita também está contribuindo para que a prefeitura consiga equilibrar as contas. Nos primeiros sete meses do ano, entraram para os cofres do município R$ 65,2 milhões em impostos e taxas e mais R$ 199,9 milhões em transferências do Estado e da União. De janeiro a julho, em Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) entraram R$ 20,4 milhões para os cofres da prefeitura. No mesmo período, o município arrecadou R$ 19,8 milhões em Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISSQN).

Nos primeiros sete meses do ano, as receitas correntes do município totalizaram R$ 227,6 milhões, enquanto a despesa atingiu a 323,6 milhões, o que gerou o déficit na execução orçamentária de R$ 45,9 milhões no período.

A folha de pagamento, embora o prefeito tenha executado uma minirreforma administrativa, cortando cargos de confiança e fazendo remanejamento de pessoa, continua sendo o grande peso para nas contas publicas municipais. De janeiro a julho, com o pagamento dos servidores e os encargos sociais, a prefeitura gastou R$ 110,3 milhões, muito acima do que foi investido em obras e serviços no mesmo período, já que os investimentos ficaram em apenas R$ 25,1 milhões. Somente em julho a prefeitura gastou R$ 17,5 milhões para a folha de pagamento e os encargos sociais.

 

MULTAS DE TRÂNSITO

 

Além dos impostos, outras receitas que mexem diretamente com o bolso do cidadão, se mantiveram nos patamares dos anos anteriores. É o caso do estacionamento rotativo, que no período arrecadou R$ 687,7 mil. Com a taxa de limpeza urbana, foram arrecadados R$ 10,2 milhões, entretanto, segundo o secretário municipal de Fazenda, Antônio Castelo, esse recurso vai diretamente para a empresa Via Solo, concessionária do serviço de coleta de lixo da cidade.

O trânsito da cidade continua gerando um alto volume de multas e as infrações mais comuns são avanço de sinal vermelho, parar em fila dupla e dirigir falando ao celular. De janeiro a julho, a Secretaria de Trânsito e Transporte arrecadou R$ 980,6 mil em multas de trânsito, o que dá uma média de R$ 140 mil mensais.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.