sexta-feira, 6 de Novembro de 2015 11:16h

Água de qualidade para uma comida de verdade

Agricultoras que participam da 5ª Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional falam da importância da água para a produção de alimentos saudáveis

Antônia Marta da Silva Lopes, 46 anos, mãe de dois filhos, é agricultora familiar no município de Quixadá, no Ceará. Planta uma variedade de alimentos - cheiro verde, feijão, milho, couve, repolho, cenoura, beterraba, abóbora, tomate e cebola.

Mas essa realidade não foi sempre assim. A ampla produção, segundo ela, só foi possível quando recebeu, há dois anos, a cisterna enxurrada - tecnologia social de captação e armazenamento de água de água. Antes, Antônia tinha dificuldade para produzir, pois a água que utilizava era de poço. “A água era salgada. Não conseguia produzir muito porque o sal queima os alimentos”, contou. Ela participa da 5ª Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, em Brasília.

Para a agricultora, não tem nada melhor do que hoje ter uma água de qualidade para produzir. “Faz toda a diferença. Vejo a qualidade dos alimentos; como muda, não é! Posso afirmar que hoje produzo comida de verdade.” Antônia produz para consumo próprio. O excedente é vendido nas feiras da região. “Antes da cisterna, conseguia uma renda em torno de R$ 300 por mês. Agora, a renda chega a R$ 600.”

Outro benefício que ela atribui à água de qualidade para plantação é o armazenamento de suas próprias sementes. “Tenho uma variedade de mais de 30 sementes, entre hortaliças e legumes, tudo da minha produção. Não preciso mais comprar semente.”

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.