terça-feira, 12 de Janeiro de 2016 11:42h

Centros Colaboradores ajudarão na capacitação para o cuidado aos pacientes com microcefalia

Serviços de saúde, públicos e privados, e instituições de ensino podem colaborar na capacitação de profissionais de saúde para tratamento de pacientes afetados pelo vírus Zika

Unidades de saúde e instituições de ensino podem contribuir na capacitação de profissionais no cuidado com pacientes afetados pelo vírus Zika. A portaria para a criação de Centros Colaboradores para ajudar no enfrentamento aos casos de microcefalia foi publicada no Diário Oficial da União desta terça-feira (12/01). A medida possibilitará, por exemplo, que uma universidade com experiência em um determinado procedimento possa compartilhar a experiência e qualificar outros profissionais de saúde.

“A potência dessa estratégia é que ela permite mobilizar expertise e capacidade instalada no SUS e nas Universidades, sem custos adicionais, a serviço da capacitação de equipes de saúde da atenção básica, maternidades, hospitais e centros de reabilitação para a atenção à saúde ao casos e complicações do Zika”, garante Hêider Pinto, Secretário de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde (SGTES) do Ministério.

Os interessados em atuar como Centros Colaboradores deverão cadastrar-se em um site a ser disponibilizado pelo Ministério da Saúde. A capacitação que será realizada por estes centros é mias uma importante estratégia do Ministério da Saúde para a qualificação dos profissionais do SUS para o enfrentamento do Zika.

Os Centros capacitarão médicos, enfermeiros, fonoaudiólogos, agentes de comunitário de saúde, agentes de combate às endemias, fisioterapeutas, entre outros profissionais que atuem no cuidado a crianças com microcefalia.

Os profissionais de saúde serão treinados pelos Centros para identificar casos suspeitos, notificá-los e adotar os primeiros cuidados a pacientes com microcefalia, além da capacitação para conhecimentos sobre estimulação precoce. Para os profissionais envolvidos com pré-natal, a qualificação será voltara para a notificação, investigação, diagnóstico e conduta nos casos e situações relacionadas ao vírus Zika, Dengue e Chikungunya.

“A iniciativa tem grande potencial de multiplicação. Assim, profissionais de um serviço que saírem, por exemplo, de uma cidade do interior para receber treinamento em grandes centros poderão, ao retornar, estruturar o serviço, qualificá-lo para o cuidado de pessoas afetadas pelo Zika e estabelecer um polo de capacitação no município para atender as cidades vizinhas”, exemplifica o secretário Hêider Pinto.

O Ministério da Saúde vai organizar toda a oferta dos treinamentos e colocá-la disponível para que Secretarias Estaduais de Saúde e os Conselhos de Secretários Municipais de Saúde de cada estado possam estabelecer a agenda das equipes dos municípios a serem capacitadas. Além disso, cursos que já estejam sendo oferecidos pelas instituições participantes poderão ser integrados ao sistema com a abertura de parte das vagas a profissionais de municípios e estados interessados.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.