segunda-feira, 18 de Janeiro de 2016 09:07h Agência Brasil

Chuva deixa região serrana do Rio em estado de alerta

Devidos às fortes chuvas dos últimos dias na região serrana do Rio de Janeiro, algumas cidades continuam em estado de alerta

Em Petrópolis, mais de 200 pessoas estão desalojadas. A Secretaria de Proteção e Defesa Civil informou que foram registradas, desde sexta-feira (15), 425 ocorrências de deslizamentos, alagamentos e inundações. Não houve mortos ou feridos.

Em Teresópolis, equipes da prefeitura trabalham nesta manhã na desobstrução de acessos e limpeza de ruas. O secretário de Defesa Civil, coronel Roberto Silva, informou que o Centro de Comando e Controle, criado no sábado (16) para vistorias técnicas e avaliações de risco, será mantido devido à previsão de continuidade das chuvas esta semana.

“Estamos no que se chama de desastre de evolução gradual, por conta da previsão da continuidade da chuva. A cada ocorrência, os danos são contabilizados e analisados. Montamos o Centro de Comando e Controle, na Defesa Civil, para gerenciar todas as necessidades em relação a desastres e, a partir daí, serão tomadas as providências pertinentes a cada caso”, destacou o secretário.

De acordo com o órgão, foram registrados deslizamentos de terra, queda de árvores e de muros em vários bairros de Teresópolis. Na zona rural do município, houve alagamentos causados pelo transbordamento dos rios. As secretarias estaduais do Ambiente e de Obras enviaram equipamentos para liberação de vias públicas e a Secretaria Estadual de Saúde está liberando um kit com antibióticos e analgésicos, sais de reidratação, ataduras e luvas para as regiões mais afetadas.

Em Nova Friburgo, uma escola e um posto de saúde foram destruídos após a queda de uma barreira e três pessoas estão desalojadas. Segundo a Defesa Civil, as ocorrências foram pontuais, como quedas de muros e de taludes em quintais.

Todas as ações de vistoria e avaliação de risco cabem à Defesa Civil, que pode ser acionada pelo telefone de emergência 199. Já o socorro é feito pelo Corpo de Bombeiros, cujo contato é feito pelo telefone de plantão 193.

Há cinco anos, a região serrana sofreu uma tragédia com as intensas chuvas de janeiro. Nova Friburgo perdeu mais de 400 moradores devido a deslizamentos de terra e cheia de rios e cerca 25 mil pessoas ainda vivem em área de alto risco. Em Teresópolis, 390 pessoas morreram, 5 mil ficaram desabrigadas e 311 continuam desaparecidas.

 

 

Na capital

A Secretaria de Estado de Transportes do Rio (Setrans) informa que o serviço de bondes de Santa Teresa continua interrompido desde sábado (16), após o temporal que causou queda de árvores nas linhas aéreas. Equipes da Setrans estão trabalhando no local para consertar as linhas danificadas.

A chuva de sábado também inundou a ala inaugurada há dois meses do Hospital Universitário Pedro Ernesto, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Vila Isabel, zona norte, e o Museu do Pontal, Recreio dos Bandeirantes, na zona oeste. O setor alagado do hospital ficará interditado até quarta-feira (20), por medida de segurança. A administração do museu informou que a água já foi drenada das salas alagadas, porém, devido à umidade, a visitação só será retomada na semana que vem, se não houver novos alagamentos.

 

 

Região metropolitana

Na cidade de São Gonçalo, cerca de 40 famílias tiveram que deixar suas casas, no sábado (16), devido a alagamentos provocados pelo temporal. No bairro de Jardim Catarina, 23 famílias tiveram que ser deslocadas para uma escola. Na região de Palmeiras e Salgueiro, foram 18 famílias. De acordo com a prefeitura, todos já retornaram às suas casas. Hoje, cerca de 120 funcionários da prefeitura estão trabalhando em 18 bairros de São Gonçalo para limpar as ruas e bueiros.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.