quinta-feira, 7 de Maio de 2015 10:14h

Codevasf fortalece caprinovinocultura nas bacias do São Francisco, Parnaíba, Itapecuru e Mearim

O fortalecimento da caprinovinocultura em comunidades rurais de Bahia, Pernambuco, Alagoas, Maranhão e Piauí tem recebido grande atenção da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf)

De 2012 a 2014, a Companhia investiu cerca de R$ 20,6 milhões para incentivar a atividade nas áreas em que atua. As ações fazem parte do eixo de Inclusão Produtiva do Plano Brasil sem Miséria, com recursos da Secretaria de Desenvolvimento Regional do Ministério da Integração Nacional (SDR/MI).

Na Bahia, foram investidos aproximadamente R$ 8,4 milhões na caprinovinocultura num intervalo de dois anos. O esforço envolve desde a doação de animais para agricultores familiares visando à ampliação dos rebanhos e a aquisição de máquinas forrageiras e ensiladeiras até a reforma do Centro de Capacitação em Bases Tecnológicas para o Semiárido (Cebatsa), passando pelo Projeto de Desenvolvimento Sustentável da Palma Forrageira, o Repalma – voltado para garantir a segurança alimentar animal.

Somente no Repalma são aproximadamente R$ 6,6 milhões em execução na Bahia, em parceria com Secretaria de Desenvolvimento Rural da Bahia (SDR), um projeto tocado no âmbito da 2ª e da 6ª superintendências regionais da Codevasf (sediadas respectivamente em Bom Jesus da Lapa e Juazeiro). O objetivo é promover uma rede de multiplicação de palma forrageira para assegurar segurança alimentar de rebanhos de ovinos e caprinos de agricultores familiares, principalmente nos períodos de estiagem. Serão beneficiadas cerca de seis mil famílias de produtores em 115 municípios baianos afetados pela seca.

Outra vertente de ação da Codevasf na Bahia é dotar os produtores familiares de um conjunto de equipamentos e acessórios para trituração de mandioca, palma, milho, capim, cana e sorgo, oferecendo, assim, condições de armazenamento da alimentação necessária para que os rebanhos sobrevivam às estiagens. As máquinas são ensiladeiras e forrageiras e representam um investimento de aproximadamente R$ 1 milhão para beneficiar cerca de 100 associações de pequenos criadores, muitos deles situados em áreas de sequeiro nas regiões do Médio e do Submédio São Francisco.


Capacitação

Além dessas ações, a Codevasf também investiu cerca de R$ 710 mil na reforma do Centro de Capacitação em Bases Tecnológicas do Semiárido (Cebatsa) em Itaguaçu da Bahia, concluída em 2014. Agora o Centro está pronto para capacitar técnicos e produtores familiares e realizar pesquisas agropecuárias, além de validar tecnologias e atualização em manejos alimentar, sanitário e reprodutivo voltados para a melhoria dos índices zootécnicos da produção animal.

No Piauí, foram investidos mais de R$ 10 milhões, desde 2012, em ações que envolvem desde a construção de seis Unidades de Transferência de Tecnologia (UTTs) e de uma Central de Terminação nos municípios de Jacobina, Paulistana e Dom Inocêncio até a implantação do Projeto de Desenvolvimento Sustentável da Palma Forrageira (Repalma). Parte das ações está concluída, e parte está em  execução; os benefícios alcançam mais de 500 famílias de produtores rurais em dez municípios.

As UTTs são unidades demonstrativas de manejo em ovinos e caprinos que possibilitam a capacitação de produtores e estimulam o efeito multiplicador nos produtores rurais dos municípios circunvizinhos. Ações desse tipo proporcionam o desenvolvimento e o fortalecimento da atividade, abrindo oportunidades para que se torne uma atividade organizada, rentável e autossustentável.

Para os pequenos criadores, esses investimentos representam melhoria na renda e, consequentemente, na qualidade de vida das famílias. “Estamos com uma grande expectativa. Todos estão ansiosos para começar a trabalhar com essa Central de Terminação e ver melhorar a sua forma de criar o seu rebanho. Só tende a melhorar para todos”, afirma Valdenor Nunes, vice-presidente da Associação de Criadores de Caprinos e Ovinos da Comunidade Lagoa da Extrema (Ascoli), localizada em Dom Inocêncio. A entidade foi fundada em 2007 e conta atualmente com 11 associados e um rebanho de aproximadamente 1,2 mil animais.


Manejo reprodutivo

Em Pernambuco, a Codevasf investiu R$ 4,6 milhões em caprinovinocultura de 2012 a 2014. Foram iniciadas as obras para a construção de dois Centros de Manejo Reprodutivo e Melhoramento Genético de Caprinos e Ovinos nos municípios de Parnamirim e Serrita, no valor de R$ 451,4 mil. Em Parnamirim, o rebanho de caprinos e ovinos conta com mais de 200 mil animais e é considerado um dos maiores do estado.

No Projeto Repalma os valores investidos superaram R$ 2 milhões, e o investimento na licitação para aquisição de tratores e implementos agrícolas foi de quase R$ 2 milhões. A previsão é de que a ação beneficie 250 famílias na primeira colheita.  “Cada família será beneficiada com 0,5 hectare de palma forrageira com qualidade genética e fitossanitária, totalizando 12,5 hectares. Ações dessa magnitude impulsionam a produção agropecuária, possibilita melhorias no desempenho das atividades e gera significativo impacto social e econômico nas comunidades, explica Manoel Nicolau, engenheiro agrônomo da Unidade de Arranjos Produtivos da Codevasf.

Os investimentos nas ações em Alagoas e no Maranhão chegam a quase R$ 900 mil. Em Alagoas a Codevasf investiu R$ 841 mil no Projeto Repalma, que irá beneficiar 500 famílias; e no Maranhão reformou e adequou a Usina de Beneficiamento de Leite de Caprinos e Ovinos do município de Vargem Grande.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.