quinta-feira, 25 de Junho de 2015 14:00h

Começa a Pesquisa CNT de Rodovias 2015

Pesquisadores saíram a campo nesta segunda-feira (22), na 19ª edição do estudo, para avaliar as condições das rodovias brasileiras

A CNT (Confederação Nacional do Transporte) e o Sest Senat deram início à Pesquisa CNT de Rodovias 2015. Na manhã desta segunda-feira (22/6), 20 equipes de pesquisadores saíram de 13 de capitais para a coleta das informações nos próximos 30 dias. Nesta 19ª edição, a expectativa é a de que haja um incremento da extensão de rodovias analisadas em relação ao ano passado.

O estudo avalia toda a malha federal pavimentada e as principais rodovias estaduais pavimentadas. São levadas em consideração as condições do estado geral, do pavimento, da sinalização e da geometria da via. Também são apontados os pontos críticos.

São analisadas ainda as situações viárias por tipo de gestão (pública ou concedida), por estado e regiões geográficas, por corredores rodoviários e por tipo de rodovias (federais ou estaduais).

De acordo com o diretor-executivo da CNT, Bruno Batista, os resultados da Pesquisa são importantes tanto para o planejamento quanto para a estruturação das viagens feitas pelos transportadores. "Esse material já faz parte da maior série histórica de dados rodoviários no Brasil, e isso é importante não só para os transportadores, mas também para o país", comenta Bruno Batista.

O material auxilia nos estudos para que as políticas setoriais de transporte, projetos privados, programas governamentais e atividades de ensino e pesquisa resultem em ações que promovam o desenvolvimento da infraestrutura rodoviária do país.

Na avaliação da diretora-executiva nacional do Sest Senat, Nicole Goulart, a pesquisa é importante por revelar as reais condições das rodovias para os profissionais autônomos. "Ter esse tipo de informação é fundamental para ajudar e orientar os caminhoneiros no seu dia a dia, além de garantir sua segurança durante o transporte de cargas e passageiros", diz.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.