segunda-feira, 25 de Julho de 2016 13:43h Ministério da Defesa

Comitê Olímpico confirma 145 atletas militares no Time Brasil

O Ministério da Defesa ultrapassou sua meta em 45% ao classificar 145 atletas militares entre os 465 que compõem o Time Brasil e disputarão os Jogos Olímpicos Rio 2016

O objetivo inicial era ter 100 atletas do Programa de Alto Rendimento da Pasta, e assim, dobrar o número de representantes das Forças Armadas que participaram das Olimpíadas de Londres, no maior evento esportivo do planeta que terá como sede o Rio de Janeiro. 

“O fato de termos colocado 145 militares no Time Brasil, o que representa 30% dos nossos atletas, nos enche de orgulho principalmente porque superamos, com larga margem, a meta inicial. Agora, com a máquina adiante a toda força, vamos à conquista de nossas medalhas e dar a nossa contribuição para fazermos do Brasil uma Nação vitoriosa em todos os sentidos”, ressalta o diretor do Departamento de Desporto Militar do Ministério da Defesa, almirante Paulo Zuccaro.

 

 

Esses atletas soldados, sargentos e coronéis da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, têm como missão conquistar pelo menos 10 medalhas nas 27 modalidades que irão competir (64% dos esportes das Olimpíadas). As Forças Armadas estarão presentes nas disputas de atletismo, basquete feminino, ginástica artística, hipismo adestramento, hóquei sobre a grama, natação, judô, levantamento de peso, tiro esportivo, tiro com arco, taekwondo, vôlei de praia, maratona aquática, lutas, ciclismo pista, ciclismo estrada, handebol, vela, esgrima, boxe, remo, saltos ornamentais, nado sincronizado, canoagem slalom, badminton, triatlo e pentatlo moderno.

 

 



Os militares garantiram mais da metade das vagas da delegação brasileira de natação. Do total de 33 atletas brasileiros, 18 integram o Programa de Alto Rendimento do Ministério da Defesa. Na busca pelo pódio estão Etiene Medeiros, João de Lucca, Manuella Lyrio, Leonardo de Deus, Daynara de Paula, Henrique Martins, Graciele Hermmann, João Gomes, Brandonn Pierry, Italo Duarte, Natalia de Luccas, Gabriel Santos, Jhennifer Conceição, Nicolas Oliveira, Henrique Rodrigues, Thiago Simon, Guilherme Guido e Larissa Oliveira.

Já o time de judô é composto exclusivamente por atletas militares. São 14 atletas, sendo sete homens que integram o quadro temporário do Exército e sete mulheres que fazem parte da Marinha. Na lista está a campeã olímpica Sarah Menezes, além dos sargentos Felipe Kitadai, Charles Chibana, Erika Miranda, Alex Pombo, Mayra Aguiar, Victor Penalber, Rafaela Silva, Tiago Camilo, Maria Portela, Rafael Silva, Maria Suelen, Rafael Buzacarini e Mariana Silva.

 

 

 

“Em Londres tudo era novidade, mas acho que a maturidade é o meu diferencial para os Jogos do Rio”, comenta a judoca, sargento da Marinha, Maria Suelen Altheman. Com a experiência de participar de três Olimpíadas (2000, 2008 e 2012), Tiago Camilo mantém o foco em todos os movimentos durante seus treinos. "Nessa reta final, o mais importante é ter atenção aos treinamentos, foco e, principalmente, energia. Aquilo pelo qual a gente tanto esperou nesses quatro anos está tão perto, a ansiedade bate e você precisa saber controlar para chegar bem no dia da luta, com muita energia", diz o sargento do Exército, dono de uma prata em Sydney e um bronze em Pequim.  As disputas nos tatames acontecerão de 6 a 12 de agosto, na Arena Carioca 2, no Parque Olímpico da Barra. 

Além desses times de natação e judô, a expectativa de medalhas entre as Forças Armadas também está nas equipes de vôlei de praia, tiro e vela. 

 



Alto Rendimento
Esse crescimento da participação dos militares no desporto nacional, que resultou na conquista de 30% das vagas do Time Brasil, vem sendo construindo ao longo dos últimos oito anos. Em sintonia com o planejamento do País no cenário esportivo de alto rendimento, os ministérios da Defesa e do Esporte uniram esforços e, em 2008, criaram o Programa Atletas de Alto Rendimento (PAAR) das Forças Armadas.

Para ter uma delegação competitiva e representativa na 5ª edição dos Jogos Mundiais Militares, em 2011, no Rio de Janeiro, a Marinha e o Exército incorporaram em seus quadros os atletas do Time Brasil. A iniciativa permitiu uma posição de destaque no cenário mundial militar, com a conquista do primeiro lugar no quadro de medalhas, com 114 medalhas dentre os 111 países participantes.

 

 



Nos Jogos Olímpicos de 2012, em Londres, o Brasil teve representação de destaque, com uma delegação de 259 membros, entre comissão técnica e atletas, dos quais 51 eram atletas do Programa. O País voltou para casa com 17 medalhas, cinco delas de atletas militares, sendo quatro no judô (uma de ouro e três de bronze) e uma de bronze no pentatlo moderno.

Para o sargento Bernardo Oliveira, da equipe de tiro com arco, a maior mudança após ingressar no PAAR foi a profissionalização da carreira. “Só de poder se dedicar integralmente ao esporte, recebendo um salário e tendo um apoio da estrutura da Força Aérea Brasileira, já foi uma grande diferença na minha preparação”, comenta o atleta medalha de bronze no Pan de Toronto. “A nossa expectativa é fazer o melhor resultado possível nos Jogos do Rio. É fazer uma boa competição e é claro que nosso objetivo maior é o pódio, conclui o sargento.

 



O Programa inclui 27 modalidades olímpicas (atletismo, badminton, basquete, boxe, ciclismo, esgrima, futebol, golfe, handebol, hipismo, hóquei sobre a grama, judô, levantamento de peso, lutas associadas, maratona, nado sincronizado, natação, pentatlo moderno, remo, saltos ornamentais, taekwondo, tiro, tiro com arco, triatlo, vela, vôlei e vôlei de praia), além de modalidades não olímpicas e tipicamente militares como cross country, lifesaving, futebol de areia, orientação, paraquedismo, pentatlo aeronáutico, pentatlo militar e pentatlo naval – total de 35 modalidades esportivas.

Atualmente, 670 militares fazem parte do Programa Atletas de Alto Rendimento, sendo que 76 são militares de carreira e outros 594 temporários. Agora o objetivo principal é defender a bandeira do país nos Jogos Olímpicos Rio 2016, em uma ação alinhada ao trabalho estratégico do Comitê Olímpico do Brasil (COB), de confederações e clubes, com o objetivo de fortalecer o esporte brasileiro.

 



Clube CISM 
Os atletas militares brasileiros e estrangeiros que estiverem nos Jogos do Rio de Janeiro terão um ponto de encontro oficial. Será o Clube CISM (Conselho Internacional do Esporte Militar), localizado na Universidade da Força Aérea (Unifa), no Campo dos Afonsos.

O Clube CISM é uma oportunidade de promover o desporto militar, com países que são potências olímpicas e possuem atletas dentro do quadro de suas forças armadas. O local abrigará dirigentes de delegações militares de cerca de 100 países participantes dos Jogos.

 



“A gente acredita que a composição do Clube CISM, como ocorreu em Pequim, em Atenas, e vem ocorrendo tradicionalmente em vários jogos de inverno, é uma oportunidade para estreitarmos os laços entre os nossos países e poder também valorizar o esporte militar no âmbito internacional”, disse o diretor do Departamento de Desporto Militar, almirante Paulo Zuccaro.

Com cerimônia de abertura agenda para o dia 7 de agosto, o espaço contará com um centro de mídia onde serão realizadas coletivas de imprensa, encontros e entrevistas com atletas militares brasileiros e estrangeiros. O centro de mídia, a cargo do CISM, também divulgará os resultados da participação dos atletas militares nas provas olímpicas. 

Confira a lista de atletas militares que integram o Time Brasil.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.