segunda-feira, 11 de Janeiro de 2016 09:58h

Governo federal e Banco do Sul já têm R$ 10 bi para pré-custeio da próxima safra, diz ministra

Em reunião com Nelson Barbosa (Fazenda), Kátia Abreu também conversou sobre alternativas para o financiamento rural

A ministra Kátia Abreu (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) afirmou nesta sexta-feira (8) que o governo federal e o Banco do Brasil já garantiram R$ 10 bilhões para o pré-custeio da próxima safra. A informação foi divulgada por Kátia Abreu depois de se reunir com o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, para discutir novas formas de financiar o crédito agrícola.

O governo federal, destacou a ministra, está consciente da importância do crédito de pré-custeio e garantirá os recursos para a safra 2016/2017. Kátia Abreu levou o assunto à presidente Dilma Rousseff durante audiência na última quarta-feira (6) e recebeu apoio da chefe do Executivo.

“Estamos trabalhando desde o ano passado, e o Banco do Brasil nos garantiu que tem R$ 10 bilhões da poupança rural e de depósito à vista para o pré-custeio. Isso está solucionado, não me preocupa mais”, disse a ministra a jornalistas. “A presidente está muito atenta ao pré-custeio porque sabe que a falta dele pode trazer prejuízo para os agricultores.”

 

Crédito

Kátia Abreu e Nelson Barbosa discutiram ainda novas formas de custear o crédito agrícola da safra 2016/2017. O assunto vem sendo tratado com antecedência para assegurar o maior montante possível de financiamento. No ano passado, o governo disponibilizou R$ 187,7 bilhões, valor 20% maior que na safra anterior.

Por causa do ajuste fiscal implementadas no governo federal, Mapa e Fazenda vêm buscado outras alternativas além das linhas tradicionais de apoio ao crédito.

“O Mapa é parceiro do ajuste fiscal. Não queremos benesses, apenas o que a agricultura precisa, o que for estritamente necessário. Esse é o setor que dá mais resultados para o país. Por isso, podemos antecipar a discussão e começar a pensar em novas formas de financiamento”, reforçou a ministra.

Entre as alternativas estudadas pelos dois ministérios, está a possibilidade de emissão do Certificado de Recebíveis do Agronegócio (CRA) indexado ao dólar e eventuais mudanças na subvenção das Letras de Crédito do Agronegócio (LCA).

 

Seguro

De acordo com a ministra, o seguro agrícola para o clima poderá alcançar R$ 1 bilhão em 2016, cobrindo 20 milhões de hectares. O Orçamento da União deste ano já garante R$ 741 milhões, mas o Mapa estuda novas fontes de receita para aumentar o valor.

Do total de 60 milhões de hectares de área plantada no país, o Mapa avalia que 30 milhões correm risco climático, assinalou Kátia Abreu. “Com R$ 1 bilhão, conseguimos cobrir 20 milhões de hectares, o que é quase que 100% da área crítica do país. Seria um grande avanço”, disse. “Mesmo em ano de ajuste, o Mapa, o Banco do Brasil, Fazenda e Planejamento estão de mangas arregaçadas para encontrar fontes de recursos para cobrir essa diferença.”

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.