sexta-feira, 24 de Julho de 2015 12:26h

“Hoje, eu sou feliz porque meus filhos não passaram fome como eu passei”

Tecnologias sociais garantem renda e segurança alimentar para agricultores familiares do Semiárido. Até junho, mais de 120 mil cisternas foram entregues para que famílias captem água da chuva e utilizem na produção de alimentos nos períodos de estiagem

José Nivaldo dos Santos, 49 anos, e Maria Aparecida dos Santos, 44 anos, criaram quatro filhos na zona rural de Areial (PB), debaixo de muito sol e com muito trabalho. Localizado a 170 quilômetros da capital paraibana, no sertão do estado, o município tem solo arenoso. Lá a chuva é esparsa, como em todo Semiárido.

“Hoje, eu sou feliz porque meus filhos não passaram fome como eu passei”, lembra dona Cida. Além da fome, a sede também castigava. Em 1998, eles construíram por conta própria uma cisterna para armazenar a água da chuva que caía pelo telhado da casa. Antes, eles tinham que caminhar até 12 quilômetros para ter água para beber. “Tinha vez que eu saía às 4 horas da manhã e retornava perto do meio dia.”

O sofrimento do passado é apenas uma recordação. O sorriso brota feliz no rosto do casal, da mesma forma que as hortaliças, frutas e legumes agroecológicos surgem, mesmo em meio ao solo pobre em nutrientes e que, por isto, precisa de muita água. “Hoje, só dou risada”, brinca Seu Niva.

Em junho de 2013, o casal recebeu a cisterna calçadão – um dos modelos de tecnologia social para captação de água para produção –, resultado da parceria entre o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) e a Articulação Semiárido Brasileiro (Asa). Seu Niva fez questão de registrar a data no cimento da tecnologia. “Antes das cisternas, o pobre só plantava o coentro para temperar o feijão. Agora, a gente come salada, coisas que a gente não comia antes, como berinjela, repolho...”

A cisterna calçadão ganhou esse nome porque ela capta a água da chuva a partir de um calçadão de 200 m², o que equivale à metade de uma quadra de futebol de salão. Cercada por um meio fio, a construção é feita em declive. A água é conduzida para uma caixa de decantação e daí para o reservatório, no mesmo formato das cisternas de água para consumo, que têm capacidade para armazenar 52 mil litros de água. Coberta e fechada, a tecnologia é protegida da evaporação e das contaminações causadas por animais.

A melhoria da produção abriu outras possibilidades de geração de renda para o casal. Em 2014, primeiro ano após a construção, eles receberam R$ 10 mil com as vendas que fizeram para o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) e para o Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae). Em 2015, já conseguiram receber R$ 2 mil, no período entre janeiro e junho. “É o mesmo que antigamente conseguíamos ganhar em um ano todo. Os atravessadores diminuíam muito o preço das nossas coisas”, compara Dona Cida.

A renda ajuda também a apagar as marcas que a fome deixou. “Hoje eu como carne todos os dias. Antes, o pobre só comia carne no domingo”, lembra Seu Niva. Na propriedade, eles têm 24 tipos de produtos agrícolas, além de criar gansos, perus, galinhas e porcos. A família também tem um banco de sementes crioulas – sem modificação genética – que garante autonomia na hora de produzir.Nivaldo conta que a felicidade da família é ali na zona rural de Areial. “Se me tirarem daqui, eu sou capaz de morrer logo. A minha vida é aqui”, conta. O filho Adevam Firmino dos Santos, de 20 anos, faz curso técnico em Agropecuária para ajudar o pai na plantação.

“Não tinha onde guardar água” – A cisterna calçadão também mudou a vida de Clóvis Galdino de Souto, 66 anos, e Maria José Barros de Souto, 62 anos, que prefere ser chamada de Dona Dé. Aposentados, eles vivem desde 1978 na zona rural de Cubati (PB), onde criaram cinco filhos.

A seca também os maltratou. Como o marido tinha que trabalhar fora para garantir o sustento, Dona Dé caminhava até seis quil ômetros para poder pegar água. “Eu saía às três horas da madrugada, com os meninos todos pequenos, para ir pegar água. Não tinha água por aqui perto não”.

Hoje, com as cisternas de água para beber e para ajudar na produção, a vida está diferente. “Antigamente chovia, mas não tinha onde a gente guardar a água”, afirma Clóvis. “A vida está boa demais em vista do sofrimento que a gente vivia aqui.”

A produção de alimentos, gradualmente, começa a ultrapassar as fronteiras da propriedade e da mesa da família. Por mês, mesmo com a seca, eles comercializam cerca de R$ 150, que ajuda a completar a feira. Para dona Dé, no entanto, a melhor conquista é uma alimentação mais saudável. “Antigamente era só o coentro pra colocar no feijão, agora eu tenho uma variedade muito grande”.

A cisterna calçadão é uma das tecnologias sociais que o governo federal financia para que os agricultores familiares do Semiárido captem a água da chuva para utilizar na produção durante os períodos de estiagem. Segundo o secretário nacional de Segurança Alimentar e Nutricional do MDS, Arnoldo de Campos, já foram implantadas 120 mil tecnologias de água para produção, que estão transformando a vida das pessoas da região. “Em muitos casos é a primeira vez que a família sertaneja está tendo acesso à água para produzir. Por isso, estas cisternas são um pontapé inicial numa nova etapa da vida dessas famílias, que darão um salto na forma de convivência com o Semiárido, podendo até mesmo acessar novos mercados”.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.