quinta-feira, 23 de Julho de 2015 13:40h

Instalações de área onde serão realizadas provas de hipismo dos Jogos Olímpicos 2016 estão sob vazio sanitário e rigorosos cuidados de biossegurança

Mapa está promovendo conjunto de ações para salvaguardar a sanidade dos equinos que participarão de evento teste e das competições olímpicas

As instalações onde ocorrerão as provas de hipismo dos Jogos Olímpicos no próximo ano, assim como o evento teste que será realizado em agosto, estão sob total vazio sanitário e rigorosos cuidados de biossegurança. O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) está desenvolvendo um conjunto de atividades para salvaguardar a sanidade dos equinos que estarão nas competições olímpicas, em Deodoro, no Rio.

O Serviço Veterinário Brasileiro está desenvolvendo um estudo soroepidemiológico no entorno da Escola de Equitação do Exército, devido ao histórico de movimentação de um animal que foi diagnosticado com mormo, em abril deste ano, no Espírito Santo, e estava em Deodoro no ano passado. Essa situação levou a investigações no Setor 4 do Complexo Militar de Deodoro e resultou na detecção da proteína específica da bactéria Burkholderia mallei – que causa o mormo – em um dos animais do plantel, embora ele não tenha apresentado sinais clínicos da doença.

A investigação promoveu a coleta de amostras e avaliação clínica e epidemiológica para a realização dos testes Fixação de Complemento (FC) e Western Blotting (WB) em 141 animais alojados no setor. O laudo oficial emitido pelo Laboratório Nacional Agropecuário (Lanagro) apontou um resultado positivo e um inconclusivo na prova de WB, constatando a presença da proteína especifica da bactéria Burkholderia mallei em um animal, embora nenhum outro tenha apresentado manifestação clínica da doença.

Diante disso, o Mapa, com a Secretaria de Estado de Agricultura e Pecuária do Rio de Janeiro (SEAPEC/RJ) e o Exército Brasileiro, está realizando inspeção clínica permanente e testes laboratoriais em aproximadamente 565 animais que estão no Complexo Militar, fora da área de vazio sanitário.

Os testes, no entanto, não foram concluídos. Os materiais coletados foram encaminhados para análise laboratorial e a expectativa é de que as investigações estejam terminadas até outubro deste ano. O mormo nos equinos, asininos e muares é passível de aplicação das medidas de defesa sanitária animal, sendo obrigatório o sacrifício de todos os animais acometidos desta zoonose, por se tratar de uma doença incurável.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.