terça-feira, 20 de Outubro de 2015 11:19h

Instituições ainda podem solicitar bolsas de residência médica

Prazo para inscrição de programas de residência interessados em expandir vagas foi prorrogado até sexta-feira (23). Resultado parcial indica melhor resultado alcançado pelos ministérios da Saúde e Educação

Instituições que ofertam residência médica e tenham interesse em expandir suas vagas ainda podem solicitar financiamento de bolsas. Foi prorrogado até sexta-feira (23) o prazo para envio de propostas para ampliação de vagas de residência, com prioridade na especialidade de Medicina Geral de Família e Comunidade (MGFC). Até o momento, foram solicitadas 1.060 vagas desta especialidade para o Ministério da Saúde e 1.570 para o Ministério da Educação (MEC), um total de 2.630, 88% do total de 3 mil bolsas disponibilizadas pelo edital deste ano.

Para o secretário de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde do Ministério da Saúde, Hêider Pinto, o resultado supera as expectativas do Governo Federal. “Nossa prioridade é expandir vagas em Medicina de Família e Comunidade para que a população possa contar com um atendimento de qualidade realizado por um médico preparado para resolver 80% dos casos que chegarem na unidade básica de saúde. A quantidade de vagas solicitadas mostra que as universidades e os gestores municipais assumiram o desafio de dar mais qualidade à atenção básica”, declara o secretário.

As instituições interessadas em enviar propostas devem se inscrever pelo Sigresidências. A procura das instituições em abrir vagas na especialidade de MGFC cresceu significativamente neste edital de 2015. A quantidade de bolsas solicitadas este ano (2.630) é 72% maior que o total concedido pelos ministérios da Saúde e Educação até hoje para a especialidade (1.526).

As regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste tiveram prioridade nas bolsas para corrigir o déficit histórico de profissionais nessas regiões. A medida integra o Mais Médicos, voltado para a expansão e melhoria da formação médica no país. O Programa prevê a criação de 12,4 mil novas vagas de residência médica, além de 11,5 mil vagas de graduação em medicina até 2017. Destas, já foram autorizadas 7.742 vagas de residência, e 5.306 vagas de graduação (1.690 em universidades públicas e 3.616 em instituições privadas).

PRECEPTORIA – Outra medida de fortalecimento da especialidade de MGFC é a oferta de curso de especialização em preceptoria ministrado de forma concomitante à residência na área. Os médicos que ingressarem na especialidade entre 2016 e 2018 poderão participar do curso, com duração de dois anos e ministrado semipresencialmente por instituições de ensino de referência, e receberão bolsa mensal no valor de R$ 2.500, custeada pelo Ministério da Saúde – além da que já fazem jus como residentes. O objetivo da medida é garantir a formação de preceptores para atender à expansão das vagas de residência prevista pelo Programa Mais Médicos.

A ação faz parte do Plano Nacional de Formação de Preceptores para Programas de Residência na modalidade MGFC, e a expectativa do Governo Federal é formar mais 10 mil preceptores até 2018, chegando a 14,2 mil profissionais. Com essa ação, será garantido, no mínimo, um preceptor para cada três residentes, um dos requisitos exigidos para abrir novas vagas de especialização.

O Plano Nacional de Formação de Preceptores para MGFC também abrange os médicos que já são preceptores em residências na área, e vai ofertar atividades de aperfeiçoamento a esses profissionais.

MULTIPROFISSIONAL – O Ministério da Saúde também custeia bolsas de residência para outras profissões da saúde, como enfermagem, odontologia, fisioterapia, entre outras. Para o ano que vem, serão financiadas 500 bolsas de residência em saúde, e as instituições interessadas puderam enviar proposta até 15 de outubro. Como as solicitações de bolsas ultrapassaram o quantitativo máximo de 500, a escolha das propostas será feita conforme as especialidades prioritárias, e o resultado será divulgado nas próximas semanas.

Pelo edital, o Ministério da Saúde reservou 75% das bolsas para áreas prioritárias para o SUS: Atenção Básica/Saúde da Família, Atenção ao Câncer (infantil, adulto e cuidados paliativos), Enfermagem Obstétrica, Física Médica, Neonatologia e Saúde Mental. As 25% bolsas restantes serão concedidas nas especialidades de Atenção Clínica Especializada (enfoque em cardiologia e nefrologia), Cirurgia e traumatologia Bucomaxilofacial, Hematologia (infantil, adulto e cuidados paliativos), Intensivismo, Reabilitação e Urgência/trauma.

Em janeiro deste ano, o Ministério da Saúde ofertou 586 novas bolsas de residência multiprofissional, como resultado de edital lançado no segundo semestre de 2014. As novas vagas representaram uma ampliação de 20% em relação ao ano anterior nas bolsas disponíveis para os profissionais ingressantes na especialização. No total, 5.505 bolsas de residência em saúde estão sendo custeadas pelo Ministério da Saúde, sendo 3.461 bolsas para o primeiro ano e 2.044 para o segundo ano de residência.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.