quinta-feira, 3 de Dezembro de 2015 11:45h

Ipsos desenvolve pesquisa sobre a percepção da população ao redor do mundo

Percepção não é realidade: o quanto o mundo está errado

A mais recente versão da pesquisa global Ipsos, Perils of Perception (Perigos da Percepção), destaca o quanto a população de 33 países erra na sua avaliação de problemas chaves e características do seu próprio pais.

No Brasil, temos muitas diferenças entre a percepção da população e os dados reais, confira abaixo:

% da riqueza nas mãos do 1% mais ricos: O resultado do Brasil salta aos olhos, visto que nossas estimativas estão na contramão da maior parte do mundo – enquanto nos outros países massivamente se superestima a proporção de riqueza na mão das famílias mais ricas, no Brasil nós subestimamos este valor (o palpite brasileiro é de 40% quando o valor real é de 48%).

Sobrepeso / Obesidade: Apesar do sobrepeso ser um problema crescente de saúde pública, os dados sugerem que na maior parte do mundo não estamos tão preocupados quanto deveríamos. No Brasil, esta é uma das perguntas de maior acerto – acreditamos que 47% da população tem sobrepeso, contra os 56% de sobrepeso na população, mas ainda assim nos achamos mais magros do que realmente somos.

População sem religião: Em um país com tamanha religiosidade, é interessante observar o quão enganado estamos sobre o percentual de pessoas sem religião – a estimativa média é de 35% quando o valor real declarado é de 8%. Uma hipótese, dada a predominância de uma única religião tradicional (65%), é que este grupo desconsidera todas as outras religiões.

Imigração: Dados internacionais têm demonstrado a tendência de superestimar a proporção de imigrantes na população, um reflexo dos níveis de preocupação com a questão nos países desenvolvidos. Entretanto, no caso do Brasil – onde estimamos que 25% da população é de imigrantes, contra menos de 1% na realidade – a melhor hipótese é que dado o nível de miscigenação, não sabemos de fato distinguir o imigrante do brasileiro.

Média de idade: Em todo o mundo pensamos que a população é mais velha do que realmente é – no Brasil as diferenças são particularmente grandes. A estimativa média é de 56 anos de idade, quando a idade média é de apenas 31. A percepção de envelhecimento da população chegou junto com a discussão generalizada sobre o envelhecimento, ainda que faltem quase 30 anos para esta mudança.

População com menos de 14 anos: Paradoxalmente, também tendemos a superestimar a proporção da população com idade inferior a 14 anos. No Brasil, estimamos que 39% da população tem menos de 14 anos, quando o número real de 24%.

Mulheres na política: Apesar do Brasil ter uma Presidente do sexo feminino, ainda há um longo caminho a percorrer antes de alcançarmos a igualdade de gênero entre os nossos representantes eleitos. E podemos dizer que a maioria dos brasileiros percebe isso, ainda que acredite que o desequilíbrio seja menor, superestimando ligeiramente o número de deputadas na Câmara dos Deputados. O palpite médio é de 18% quando o valor real é de 10%.

Emprego feminino: Os brasileiros adivinharam, corretamente, que a maioria das mulheres trabalha atualmente, embora ligeiramente subestimem o número real. Em média, nós pensamos que 52% das mulheres em idade ativa têm emprego quando o número real é de 56%. Chamam a atenção os números reais, que mostram que mais da metade dos países têm uma população feminina ativa maior do que o Brasil, chegando em alguns casos a mais de 70% das mulheres empregadas, como na

Alemanha.

 

População rural: Os brasileiros, como o resto do mundo, pensam que mais pessoas vivem em áreas rurais do que a realidade – e, por implicação subestimamos a nossa população urbana. Em média, o público percebe que 34% da população vive em áreas rurais, quando o número real é de apenas 15%.

 

Acesso à Internet: A explosão de acesso à internet que temos visto nos últimos anos está sempre nas mídias, talvez por isso os brasileiros superestimam sua penetração. Em média, nós supomos que sete em cada dez (72%) de nós têm acesso à internet em casa, seja através de um computador ou dispositivo móvel, quando o valor real é de cinco em cada dez (53%).

 

Já em um âmbito global:

 

O top 1%: países mais desenvolvidos superestimam significativamente a proporção da riqueza que os 1% mais ricos em seu país possui. O Reino Unido é o mais impreciso (estimando que seja 59%, mais de duas vezes o número real de 23%), mas a França, Austrália, Bélgica, Nova Zelândia e Canadá estão todos também acima dos 30% do número real. Alguns países, no entanto, realmente subestimam o quanto de riqueza de seu país está concentrada nas mãos do top 1% - Peru, Índia, Israel, Brasil e Rússia (onde o top 1% mais ricos concentra, na verdade, inacreditáveis 70% da riqueza do país). Há muita variação entre os países sobre o que eles acham que DEVERIA ser o valor da fatia da riqueza total concentrada nos 1% mais ricos, embora a maioria deles ache que deveria ser menor do que realmente é – com a Rússia novamente destacando-se como tendo a maior diferença (23%) DEVERIA x (70%) número real.

 

A obesidade / excesso de peso: Quase todos os países pesquisados subestimam o problema do sobrepeso na população de seu país. O palpite médio para a proporção de pessoas com sobrepeso ou obesos (com idade 20+) é de 40%, que é muito menor do que o número real de 54%. Arábia Saudita, Turquia e Israel são os mais imprecisos, subestimando a prevalência de pessoas com sobrepeso e obesos por um maciço de pontos 43, 33 e 33 pontos percentuais, respectivamente. As únicas exceções são a Índia, o Japão, a China e a Coreia do Sul, todas nações onde a população tem muito menos excesso de peso do que os outros países no estudo.

 

Não-religiosos: países asiáticos, como China, Japão e Coréia do Sul são bastante precisos sobre os (relativamente elevados) índices de pessoas não-religiosas em seus países, mas a maioria dos outros países superestimam enormemente a proporção de não-religiosos: a suposição média em todos os países é de 37%, quando a proporção média real é de 18%. Isto é particularmente visível na Índia (estimativa média de 33%, quando o número real é inferior a 1%), em muitos países latino-americanos, como México, Brasil e Peru (que superestimam por 30, 27 e 25 pontos, respectivamente), e países como Rússia (29% acima do real), Noruega, Irlanda e Sérvia (todos 28% acima).

 

Imigração: Desde os resultados do estudo em 2014, sabemos que o público tende a superestimar maciçamente os níveis de imigração em seu país, e isso é confirmado mais uma vez nesta pesquisa. Isso pode ser reflexo dos altos níveis de preocupação com a questão da imigração, assim como preconceitos mais frequentes em populações pequenas. O palpite médio dos 32 países é de 23% de suas populações são compostas de imigrantes, quando o valor real é inferior a metade (10%). As estimativas mais exageradas tendem a ser nos países com níveis muito baixos de imigração - como Argentina, Brasil, África do Sul, Índia, México e Peru, todos os quais exageraram a proporção de imigrantes em de 20% - mas o Canadá e os EUA, países com níveis mais elevados de imigração, também estão entre os mais imprecisos. Arábia Saudita e, em menor medida, Israel são os únicos países que subestimaram a proporção de imigrantes.

 

A média de idade: Apesar da enorme variedade de países abrangidos por este estudo, quase todos acham que sua população é muito mais velha do que realmente é. Na média geral dos países participantes do estudo, a estimativa média é de 50 anos de idade, quando a idade real é de 37 anos. Os mais imprecisos foram Brasil, Turquia, Hungria e Índia. Todos palpitaram uma média de idade 20 anos mais velha do que suas populações realmente são.

 

População com idade inferior a 14: Ao mesmo tempo, quase todos os países também superestimam o número de menores de 14 anos de idade em seu país. O palpite médio em todos os países foi de 29%, em comparação com o número real de 20% (Israel é a única exceção que subestima a proporção de jovens – embora eles estejam certos em avaliar o países como uma nação relativamente jovem).

 

Políticos do sexo feminino: Nenhum dos países do estudo apresentaram um equilíbrio de gênero perfeito em sua câmara baixa (ou equivalente), embora a Suécia tenha chegado perto no número real de sua presença feminina na política (44%) – em contraste com os apenas 10% da mulheres políticas no Brasil, Hungria e Japão – alguns países foram razoavelmente precisos sobre a real participação de mulheres na política em seu país (13 países palpitaram dentro de três pontos percentuais pontos entre percebido e real). Porém, houve grandes variações. Alguns países que têm relativamente um bom equilíbrio de gênero parecem não perceber isso (como México, Espanha, Bélgica e Nova Zelândia), enquanto Columbia, Rússia, Índia e Brasil acham que a representação feminina é maior do que realmente é.

 

O emprego feminino: O público, em sua maioria, mostrou um alto grau de precisão em todos os países quando perguntado a porcentagem de mulheres em idade apta ao trabalho empregadas em seu país - o que pode ter sido em parte um palpite de sorte, mas também tende a seguir o padrão esperado (ou seja, as estimativas tendem a ser menores em países com baixos níveis de emprego das mulheres). Dez países ficaram dentro de três pontos percentuais entre o real e o percebido. Existem alguns casos anómalos – Israel subestime significativamente a proporção do emprego feminino (29 pontos percentuais), enquanto a Índia, México, África do Sul e Chile todos pensam que existem mais mulheres no mercado de trabalho do que realmente há.

 

Vida em Área Rural: Quase todos os países do estudo superestimam a proporção de sua população que vive em áreas rurais. Isto sugere que a população subestima o quão densamente povoadas são as cidades em seus países e, inversamente, quão escassa a população rural é realmente. O palpite médio em todos os países foi de 38%, quando na verdade o número real é 23%. Japão é mais fora da linha sobre esta questão - 56% percepção x 7% número real, enquanto tanto Índia e como Sérvia realmente subestimam o quão grande são suas populações rurais.

 

Acesso à Internet: Há um grande fosso entre o mundo desenvolvido e em desenvolvimento no que se refere ao acesso à internet. Enquanto a maioria nos países mais ricos ligeiramente subestimam seus (relativamente elevados) níveis de acesso à internet, no mundo em desenvolvimento entrevistados superestimam o quanto seus concidadãos estão online. A pesquisa foi realizada on-line, de modo que estes resultados podem refletir como a população conectada (a classe média) generaliza toda a população a partir de sua própria experiência. Por exemplo, na Índia, a suposição média entre os entrevistados on-line para acesso à Internet é de 60% - superestimando a verdadeira imagem de 41 pontos percentuais. Na China, a suposição média é de 72%, 26 pontos acima do real.

 

Com base nas distorções de percepção a Ipsos organizou o "Índice de ignorância", mostrado na tabela abaixo. México e Índia recebem a duvidosa honra de serem os mais imprecisos em suas percepções sobre estas questões, enquanto os sul-coreanos são os mais precisos – seguidos pelos irlandeses. Existem alguns padrões regionais nesta tabela - por exemplo, países da América Latina tendem a ser mais imprecisos, e europeu e norte-americanos mais precisos - mas isto esconde diferenças individuais, e não é todo o contexto. Nova Zelândia, por exemplo, é o menos preciso dos países desenvolvidos (entre os cinco mais “ignorante” com completando o ranking com Brasil e Peru, além de México e Índia já citados), enquanto a China está no top 5 mais precisos.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.