quarta-feira, 25 de Novembro de 2015 10:13h

Mapa cria câmara setorial da cadeia produtiva da carcinicultura

Ministra se reuniu nesta manhã com 20 criadores de camarão

A ministra Kátia Abreu (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) anunciou nesta quarta-feira (25) a criação da câmara setorial da cadeia produtiva da carcinicultura, que terá duração inicial de um ano. Ela recebeu 20 criadores de camarão nesta manhã para ouvir as demandas do setor.

“Essa câmara será provisória, com um ano de duração, prorrogável por mais um ano. O tempo será o necessário para que a gente organize o setor e as demandas dentro o ministério”, explicou a ministra, acrescentando que, após sua conclusão, a câmara da carcinicultura deverá ser englobada pelas câmaras de pesca e aquicultura, que futuramente também deverão ser criadas.

Kátia Abreu dedicará esta quarta-feira a ouvir as demandas da pesca e da aquicultura, setores que foram englobados mês passado pelo Ministério da Agricultura devido à reforma ministerial. Às 14h30, serão recebidos representantes da pesca e, às 17h, da aquicultura.

Kátia Abreu afirmou que o país tem potencial para aumentar a produção e a exportação de camarão, estimulando inclusive o consumo interno. Para isso, é necessário reduzir custos por meio de pesquisa e tecnologia, além de elaborar políticas públicas de incentivo ao setor.  Outros países, como Estados Unidos, já demonstraram interesse em importar o produto do Brasil.

“Queremos ser grandes produtores e exportadores de camarão e faremos tudo o que estiver ao nosso alcance para ajudar os criadores”, afirmou a ministra. Além de vislumbrarem possibilidade de aumento do consumo interno de camarão, os criadores pretendem exportar para a Ásia, Europa e Estados Unidos.

Demandas
Entre as principais demandas, está a dificuldade em obter licenciamento ambiental estadual e a cobrança de PIS e COFINS da ração, do camarão e das importações. O presidente da Associação Brasileira de Criadores de Camarão (ABCCAM), Itamar Rocha, ainda cobrou a elaboração de uma política pública para investimento e custeio da carcinicultura e um programa de pesquisa e tecnologia voltado para o setor, inclusive com estudos sobre melhoramento genético.

A ministra afirmou que a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) vai preparar uma apresentação sobre os estudos relacionados ao setor. Além disso, o Mapa fará um programa de defesa agropecuária da carcinicultura a fim de evitar contaminação por pragas exóticas e de manter o controle dos vírus que atingem a produção no Brasil.

Os criadores presentes agradeceram ao apoio do Mapa e demonstram otimismo em relação ao crescimento da carcinicultura no Brasil. “A senhora representa uma esperança para o setor. Conte com nosso apoio”, afirmou o presidente da Associação Norte Riograndense de Criadores de Camarão, Orígenes Monte.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.