terça-feira, 6 de Janeiro de 2015 10:10h

MDS investe mais R$ 143 milhões para construção de cisternas no Semiárido

Ação de convivência com a seca e fomento à produção vai implantar 25 mil tecnologias de acesso à água em 56 municípios da Bahia e de Minas Gerais

O Programa Cisternas vai implantar mais 25 mil tecnologias sociais no Semiárido para garantir acesso à água para consumo das famílias e nas escolas rurais e para produção de alimentos pela população de baixa renda na região. O Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) assinou dois novos convênios e ampliou metas com três consórcios para a implantação em 56 municípios da Bahia e de Minas Gerais.

 

Serão investidos mais de R$ 143 milhões para construir 16,8 mil cisternas de placas de 16 mil litros, 8,1 mil tecnologias para a produção de alimentos e 810 cisternas escolares. “Queremos garantir água por, no mínimo, oito meses para as famílias do Semiárido que sofrem com a seca”, destaca a diretora de Fomento à Produção e à Estruturação Familiar do MDS, Francisca Rocicleide da Silva. “O Programa Cisternas garante condições a essas populações para que possam ter água potável por o ano inteiro.”

As cisternas são soluções simples para captar e armazenar água da chuva, tanto para consumo humano, amenizando os efeitos da seca prolongada. Com a tecnologia é possível que uma família de cinco pessoas possa conviver com a estiagem por até oito meses. Já a cisterna escolar é construída com placas de cimento e te m capacidade para armazenar 52 mil litros.

Além das cisternas, também está prevista a construção de barreiros trincheiras e barragens subterrâneas, tecnologias utilizadas para a captação e armazenamento de água para a produção de alimentos e a criação animal.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.