terça-feira, 16 de Agosto de 2016 16:44h MAPA

Mercado brasileiro é autorizado a exportar material genético avícola para Cuba

Comércio de ovos férteis e pintos de um dia do Brasil para 50 países movimentou US$ 123 milhões em 2015

O Brasil abriu mais um mercado às exportações de material genético avícola. O governo de Cuba comunicou ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) a aprovação dos controles do serviço veterinário brasileiro para a inspeção e certificação dos estabelecimentos produtores de ovos férteis e pintos de um dia.

A aprovação foi comunicada pelo Instituto de Medicina Veterinária de Cuba.  Com isso, o país caribenho se insere num grupo de cerca de 50 países das Américas, Oriente Médio, África, Europa e Ásia que importam regularmente material genético avícola do Brasil e movimentaram em 2015 um valor aproximado de US$ 123 milhões.

Segundo o chefe da Divisão de Trânsito Animal do Departamento de Saúde Animal do Mapa, Rodrigo Padovani, os auditores de Cuba já habilitaram uma empresa de São Paulo para exportação dos produtos. Outros estabelecimentos interessados em ter acesso àquele mercado devem procurar o ministério, que então entrará em contato com o governo cubano para pedir nova auditoria em empresas no Brasil.

Excelência sanitária

Na carta de aprovação, as autoridades veterinárias cubanas destacam o grau de excelência sanitária obtido pelos plantéis avícolas brasileiros. Também elogiam as condições estruturais do sistema de defesa agropecuário do Brasil.

O governo de Cuba cita, como exemplos, as instalações e equipamentos dos laboratórios usados para efetuar a vigilância de enfermidades avícolas e a capacidade técnica e operacional para execução de medidas para controle e erradicação de doenças, de forma a atender as recomendações da Organização de Saúde Animal (OIE).

Além das questões sanitárias, a abertura do mercado cubano é resultado de investimentos em pesquisa feitos ao longo da última década, que permitiram ao Brasil desenvolver linhagens de alto valor genético atualmente almejadas por países importadores, que necessitam melhorar a produtividade dos seus plantéis.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.