segunda-feira, 26 de Outubro de 2015 11:59h

Nordeste gerou mais de 26 mil novos postos de trabalho em setembro

Apesar do Brasil ainda apresentar percentual negativo na geração de vagas, em oito estados do país foi constatada recuperação no saldo de empregos

A Região Nordeste criou 26.118 novos postos de trabalho em setembro. Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), divulgados nesta sexta feira (23) pelo Ministério do Trabalho e Previdência Social (MTPS). No Brasil, foi registrado saldo negativo de 95.602 vagas de emprego no período, um decréscimo de 0,24% na comparação com agosto. Porém, em nove estados do país foi constatada recuperação, com o número de admissões superando o de desligamentos.
No total, segundo o CAGED, 1.326.735 trabalhadores foram admitidos no Brasil, em setembro, e 1.422.337, demitidos. No Maranhão, Piauí, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe e Roraima, entretanto, houve saldo positivo de empregos no mês.
Em 2015, a geração de vagas de trabalho no país está negativa em 1,6%, o que corresponde a menos 657.761 postos. Contudo, mesmo diante de um cenário em que o número de empregos formais apresentou queda por seis meses consecutivos no Brasil, o resultado positivo observado no Nordeste em setembro reflete também um bom desempenho da Agricultura, apesar do período de estiagem, principalmente em função das atividades ligadas ao Complexo Sucroalcooleiro e às atividades de Cultivo de Uva.
Setores – Nos nove primeiros meses deste ano, o setor Agrícola originou mais 106.459 postos de trabalho (+6,88%) em todas as regiões geográficas brasileiras. Em setembro, embora o saldo tenha sido negativo em 0,2% (-3.246 postos), devido a fatores sazonais, a Agricultura obteve o terceiro melhor resultado para o período na série do CAGED, bem superior ao observado no mesmo mês em 2014, quando houve perda de 8.876 empregos celetistas.
Nos demais setores econômicos, os dados do CAGED de setembro revelam queda no saldo de contratações, principalmente em Serviços (-33.535 postos ou -0,19%) e na Construção Civil (-28.221 postos ou -0,98%). Na Indústria de Transformação houve diminuição de 10.915 empregos, mas esse número está bem abaixo da média registrada nos seis meses anteriores (-51 mil postos).

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.