terça-feira, 20 de Janeiro de 2015 09:16h Atualizado em 20 de Janeiro de 2015 às 09:18h.

Pais precisam incentivar a busca pelo verdadeiro dom dos filhos desde a infância

Pais precisam incentivar a busca pelo verdadeiro dom dos filhos desde a infância

A geração “nem-nem” - grupo de adolescentes que não estuda, não trabalha e não está à procura de emprego -, está crescendo de forma preocupante no Brasil. Dados divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) baseados na Pnad 2012 (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) apontam que o número de jovens entre 15 e 29 anos nesta situação chegou a 9,6 milhões no país, isto é, uma em cada cinco pessoas da respectiva faixa etária.
Para Dominique Magalhães, autora do livro “O que falta para você ser feliz?” - publicado pela Editora Gente -, descobrir e incentivar o dom ainda na infância pode ser uma das saídas para o problema dessa geração. “Possivelmente, alguns destes jovens não tiveram a presença dos pais e a possibilidade de trocar esse olhar, não por desinteresse destes, mas por necessidades de trabalhar fora de casa, ou mesmo de quem os ajudasse a perceber seus gostos, seus talentos e suas habilidades, por mais simples que fossem,” esclarece a autora.
Educar e estimular a curiosidade nos pequenos ajuda na hora do desenvolvimento do Dom. Os responsáveis precisam incentivar suas crianças a conhecer diversas atividades e devem apoiá-los a explorar aquelas com as quais eles mais se identificam. “Somos induzidos a ter dinheiro e sucesso através de uma ocupação e muitas vezes abandonamos algo que temos de especial quando escolhemos nossos caminhos profissionais, sem levarmos em consideração a dádiva que recebemos ao nascer”, explica a autora.
Geralmente demonstramos nosso Dom ainda muito cedo: por volta dos sete a oito anos ele se mostra nas brincadeiras prediletas da criança.  Os pais possuem maiores possibilidades de notar e incentivar as habilidades que os filhos têm. Conforme a criança desenvolve seu talento e conquista bons resultados, ela distingue seu verdadeiro potencial.
Ajudar neste reconhecimento os encoraja a enfrentar as futuras dificuldades, a fazer boas escolhas e os motiva a encontrar sua felicidade. “O talento descoberto e valorizado transforma a pessoa certa, no lugar adequado e no momento perfeito. Em contrapartida, quando um Dom é sufocado ou negligenciado e insistimos em atividades com quais não temos a menor sintonia, o resultado é frustrante e às vezes até traumatizante”, finaliza Dominique.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.