segunda-feira, 7 de Dezembro de 2015 09:56h Atualizado em 7 de Dezembro de 2015 às 09:58h.

Petrobrás anuncia aumento no gás de cozinha para botijões acima de 13 quilos

O reajuste foi anunciado três meses após o botijão de gás de cozinha de 13 quilos ter dois aumentos simultâneos

A Petrobrás anunciou nessa quinta-feira (3) o aumento no GLP (gás liquefeito de petróleo, o gás de cozinha) para botijões acima de 13 quilos. O reajuste vai variar entre 2,5% e 5%, e os novos preços já vigoram desde ontem. Este é o segundo reajuste no ano. No início de setembro, o gás de cozinha de 13 quilos teve dois aumentos simultâneos, após 12 anos sem reajuste. Um de 15% da Petrobrás, e um das Companhias Distribuidoras, que variou entre 5 a 7%. Na época, o botijão de gás, que custava aproximadamente R$ 58, subiu para R$ 62.
Segundo o Sindicato das Empresas Distribuidoras de GLP (Sindigás), o aumento no preço cobrado pelas refinarias vai depender do ponto de entrega do produto. Em nota, o sindicato afirmou. "O Sindigás esclarece que os preços são livres em todos os elos da cadeia e que o mercado tem autonomia para fixá-los. Portanto, o Sindigás orienta o consumidor a pesquisar o preço final”. O gás que é mais utilizado em condomínios, comércios e indústrias passou de R$ 200 para R$ 210 em Divinópolis. Em Contagem, o botijão, que era vendido a R$ 245, custará em média de R$ 260.
O presidente do Sindigás, Sergio Bandeira de Mello, afirmou que mais uma vez o sindicato foi surpreendido pela Petrobras, e ressaltou ainda que a estatal está aumentando o preço do GLP no país, enquanto o produto no cenário global está caindo. "Atrapalha a competitividade do produto. A Petrobras precisa explicar qual a política de preços dela”, afirmou. O dono de um depósito de gás, Antônio Assis, disse que, infelizmente, os proprietários de depósitos de gás não têm como segurar o reajuste, e que os aumentos estão abusivos. “Cada dia que se passa, está mais difícil trabalhar com gás. As despesas são as mesmas ou até mais, e está difícil segurar este repasse”, reclama.
O GLP industrial (botijão acima de 13 quilos) representa 29% do mercado de gás de cozinha, e já teve seus preços reajustados em dezembro de 2014 em cerca de 18% e teve nova alta de 11% a 12% em setembro deste ano. De acordo com o Sindigás, neste ano, as vendas do GLP industrial já tiveram queda de 3%. Empresários do ramo reclamaram, pois, segundo eles, o gás industrial está 72% mais caro que o gás residencial.

 

Créditos: Reprodução

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.