sexta-feira, 23 de Outubro de 2015 12:01h

Plano visa erradicação da febre aftosa em cinco anos

Estão definidas as ações para a última etapa do Plano Hemisférico de Erradicação da Febre Aftosa

Elas foram reunidas em um Guia Técnico de trabalho elaborado por peritos de vários países e que foi aprovado na última segunda-feira (19/10), em Cuiabá, pelos delegados da Cosalfa (Comissão Sul-Americana para a Luta contra a Febre Aftosa). O documento lista orientações técnico-epidemiológicas e metodologias e define as estratégias a serem executadas pelos países da América do Sul para que a doença seja erradicada até 2020. A última etapa será a retirada da vacinação.

A Cosalfa é formada por agentes do setor público pertencentes ao serviço veterinário oficial e do setor produtivo, por indicação da CNA. Durante o encontro, ele reivindicou ao Ministério da Agricultura maior rapidez nos estudos para evolução do programa, possibilitando a retirada total da vacinação, ou, ao menos, o fim da vacinação de animais maiores de 24 meses. “A retirada da vacinação de animais adultos já resultaria em uma economia, aos produtores, de cerca de 100 milhões de doses de vacina ao ano. Parte destes recursos poderiam ser destinados a um fundo privado de emergência sanitária, para quando da retirada total da vacina”.

Ele destaca ainda que o produtor terá aumento da renda não apenas na economia com as vacinas: “A erradicação possibilitará ao Brasil derrubar barreiras e alcançar importantes mercados que compram quatro bilhões de dólares ao ano”.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.