quarta-feira, 26 de Agosto de 2015 14:00h

Presente em evento dos 10 anos da Frente Parlamentar do Carvão Mineral ministro destaca a importância da atividade sustentável para os Estados do Sul

“Eu ficava na boca da mina, junto com as escolhedeiras - as mulheres que separavam o carvão

E para cada padiola que juntavam, recebiam uma ficha que correspondia ao salário daquela atividade”, relata o ministro do Trabalho e Emprego, Manoel Dias, durante solenidade de posse da nova diretoria da Frente Parlamentar do Carvão Mineral, que comemora dez anos de atuação, nesta terça-feira (25), no Salão Nobre da Câmara dos Deputados do Congresso Nacional.

Dias lembrou-se da história, que fez parte da sua infância, e aproveitou para destacar a importância da atividade carvoeira na história dos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná. Segundo o ministro, “era uma exploração muito precária inicialmente, não havia proteção ao trabalhador. Mas houve um progresso, e essa atividade evoluiu e hoje existem dispositivos de segurança e saúde do trabalhador brasileiro em todos os níveis”, ressaltou.

Segundo o ministro, “durante muito tempo se fez uma campanha contra o carvão”, porém, acentuou, “essa atividade é para região Sul um item muito importante, sendo decisivo durante muitos anos como geração de renda e geração de emprego. Hoje ele tem um papel importante, representando  40% da geração de energia do mundo”, afirma.

Durante a solenidade foram destacadas as conquistas da Frente Parlamentar nos últimos dez anos, que incluiu o aumento da participação do carvão mineral na matriz energética brasileira, que hoje representa 5%, sendo o seu principal uso na indústria siderúrgica e para geração de energia elétrica.

Presente ao evento o deputado federal Afonso Hamm, que entregou o cargo de presidência da Frente Parlamentar ao senador Paulo, destacou a inauguração da segunda fase do Centro Tecnológico de Carvão Limpo, em Criciúma (SC). Ele Lembrou que nos Estados Unidos e na Alemanha, o carvão mineral representa 41% e 42% da matriz energética, respectivamente. “Precisamos entender que são países que prezam pelo desenvolvimento de energias não poluentes, mas que entendem que o uso de carvão mineral não pode sair da pauta de energia”, disse o deputado.

O evento contou ainda com a presença do presidente da Associação Brasileira de Carvão Mineral (ABCM), Fernando Luiz Zancan, da senadora Ana Amélia Lemos, do presidente do Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram), Fernando Coura, e do assistente parlamentar da Eletrobrás, Sérgio Peixoto.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.