terça-feira, 13 de Outubro de 2015 11:46h Da Agência Lusa

Primeiro-ministro israelense vai usar "todos os meios" para acabar com violência

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, afirmou hoje (13) que Israel vai usar “todos os meios” à sua disposição para acabar com a violência palestina e disse que novas medidas de segurança estão sendo planejadas

“Vamos usar todos os meios à nossa disposição para restaurar a calma”, disse Netanyahu, no Parlamento israelense.

O governo “vai decidir ainda hoje medidas fortes suplementares que produzam efeitos no terreno o mais rápido possível”, reforçou.

Netanyahu advertiu o presidente da Autoridade Palestiniana, Mahmud Abbas, de que o governo israelense vai responsabilizá-lo caso a situação se deteriore, depois de quase duas semanas marcadas por vários incidentes violentos entre israelenses e palestinos, incluindo ataques com armas brancas.

O chefe do governo israelense pediu ainda a Abbas que garanta o fim das “incitações ao ódio” do lado palestino. “Em caso de agravamento da situação na sequência de incitações ao ódio, [Mahmud Abbas] será responsabilizado”, concluiu.

A violência entre israelitas e palestinianos registrou hoje um novo episódio, com a morte de três israelenses em dois ataques em Jerusalém.

Também hoje um palestiniano foi morto em Belém, a sul de Jerusalém na Cisjordânia ocupada, durante confrontos com o Exército israelense, segundo indicaram fontes médicas palestinas.

Segundo uma porta-voz do Exército israelense, os soldados dispararam contra um homem que se preparava para lançar um artefato explosivo contra um veículo militar e que representava uma “ameaça imediata”.

Com a morte de Moataz Zawahra, de 28 anos e oriundo do campo de refugiados de Dheicheh em Belém, o número de mortes nesta nova onda de violência, que teve início em 1° de outubro, já chega a quatro dezenas: cerca de 30 palestinos e sete israelenses.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.