terça-feira, 17 de Março de 2015 14:01h

Programa Água para Todos entrega mais de 804 mil cisternas no Semiárido

Reservatórios garantem às famílias mais pobres da região acesso à água para beber, cozinhar e para higiene pessoal

O Programa Água para Todos entregou 804,6 mil cisternas de consumo a famílias em situação de pobreza e extrema pobreza no meio rural do Semiárido brasileiro. Nos últimos quatros anos, foram entregues também 108,4 mil tecnologias sociais de captação de água de chuva voltadas à produção de alimentos. Os reservatórios para consumo humano garantem água para beber, cozinhar e para a higiene pessoal. Já as tecnologias de água para produção possibilitam o cultivo de alimentos e a criação de animais.

 

Lançado em 2011, o Água para Todos é uma das estratégias do eixo de inclusão produtiva rural, constituído por assistência técnica especializada, recursos para investir nas propriedades, ampliação do acesso à energia elétrica, e apoio à comercialização da produção, por meio de compras públicas e privadas. O programa integrou e potencializou ações vinculadas à questão do acesso à água em andamento em diversos órgãos, além de criar novas ações e parcerias.

“As cisternas garantem às famílias água de boa qualidade para consumo, melhorando as condições de saúde das pessoas. E a reserva de água para produção permite mais autonomia para que elas possam produzir alimentos e criar pequenos animais”, afirma o secretário nacional de Segurança Alimentar e Nutricional do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), Arnold o de Campos.

As cisternas de placas são tecnologias sociais – soluções simples e de baixo custo – para captar e armazenar água da chuva. Cada reservatório para consumo humano tem capacidade de armazenamento de 16 mil litros de água. Com isso, é possível que uma família de cinco pessoas possa conviver com a estiagem por até oito meses.

O Água para Todos é uma ação do governo federal, executada pelos Ministérios da Integração Nacional, do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, do Meio Ambiente, além da Fundação Nacional de Saúde (Funasa), da Fundação Banco do Brasil, da Petrobrás e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). As ações são executadas em parceria com organizações da sociedade civil, como a Associação Programa Um Milhão de Cisternas (AP1MC), estados, consórcio públicos municipais e bancos públicos, como o Banco do Nordeste.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.