sexta-feira, 30 de Outubro de 2015 11:41h

Promoção da alimentação saudável é desafio para o Brasil

Sociedade civil e governo discutem aperfeiçoamento das políticas públicas durante a 5ª Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, que começa nesta terça-feira (3). Com o tema Comida de verdade no campo e na cidade: por direitos e soberania

O Brasil tem uma trajetória vitoriosa nas políticas de segurança alimentar e nutricional. Em 2014, o país saiu do Mapa Mundial da Fome, da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), graças a políticas que garantiram à população mais renda e maior acesso a alimentos.

Para aperfeiçoar essas políticas públicas e aprofundar o debate sobre os desafios, como a promoção da alimentação saudável e o combate à obesidade, sociedade civil e governo participam, entre terça (3) e sexta-feira (6), da 5ª Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional.

Rafael Zart/MDS

O Brasil celebra a primeira geração de crianças sem fome

Com o tema Comida de verdade no campo e na cidade: por direitos e soberania alimentar, o encontro vai reunir 2 mil pessoas em Brasília. A ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello, participa da abertura do evento nesta terça-feira (3), às 17h.

Todos os estados estão representados na conferência. Dois terços da delegação serão formados por representantes da sociedade civil, indígenas, quilombolas, população negra, defesa do consumidor, militantes das áreas de saúde, educação, acadêmicos e movimentos urbanos. Além disso, governadores, ministros, parlamentares e delegações internacionais participam do encontro.

Segundo a ministra Tereza Campello, a conferência é oportunidade para o país dar um salto ainda maior na agenda de segurança alimentar e nutricional. “O Brasil avançou muito, mas ainda há muito a fazer. Não podemos descansar enquanto ho uver um brasileiro em situação de insegurança alimentar. Precisamos avançar e ampliar o acesso à alimentação saudável e avançar também no desenvolvimento de políticas específicas para públicos com características muito peculiares, como é o caso dos indígenas.”

Para isso, afirma Tereza, é necessária a colaboração dos governos - municipais, estaduais e federal - e das entidades da sociedade civil. “Só tem uma forma de a gente continuar avançando no Brasil: com políticas públicas, transparência, participação e com controle social. Os nossos conselhos de segurança alimentar e nutricional [Consea federal, dos estados e dos municípios] têm de continuar ativos e participantes para que a gente avance cada vez mais, não apenas superando a desigualdade, mas melhorando a qualidade da alimentação da população.”

Desafios – Uma das prioridades do governo federal é a qualidade da alimentação, por meio da promoção do acesso a alimentos mais saudáveis, diversificados e que resp eitem a cultura alimentar local. O combate ao sobrepeso e à obesidade (decorrentes da má alimentação) também está na agenda para os próximos anos.

Superada a fome, o país atua para reduzir o consumo de alimentos processados e ultraprocessados, alcançar a recomendação da Organização Mundial de Saúde no consumo de frutas e hortaliças e dar prioridade ao consumo de preparações feitas com alimentos in natura e minimamente processados, como o tradicional arroz com feijão.

Dados do Ministério da Saúde relacionados a indicadores alimentares nas capitais brasileiras (Vigitel 2014) apontam que 52,5% da população adulta está com excesso de peso e 17,9% com obesidade.

Outra pesquisa mais recente, do Instituto Brasileiro de geografia e Estatística (IBGE), mostra que quase um terço das crianças com menos de dois anos de idade já bebe refrigerante ou sucos artificiais, cheios de açúcar. E mais de 60% das crianças comem bolachas e bolos. “O problema da segurança alimentar de ixou de ser a desnutrição crônica e passa a ser enfrentar a obesidade e os problemas de saúde decorrentes dela. Em crianças e em adultos”, afirma a ministra Tereza Campello.

Mesmo com o aumento da produção de alimentos, como arroz, feijão, fruta, verduras e legumes, graças ao fortalecimento da agricultura familiar, o Brasil ainda precisa de políticas e ações que garantam o abastecimento e a disponibilidade, além de ajudarem na conscientização d a população.

“Para que a gente possa proteger as famílias, precisamos ampliar a oferta de alimentos, mas também construir políticas que conscientizem a população. Precisamos de campanhas de informação para que o cidadão saiba que produtos ultraprocessados fazem mal, que aumentam o risco de problemas cardíacos, de entupimento das veias, de problemas circulatórios e até de câncer.”

Durante a Conferência, o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) vai propor um amplo pacto que envolva governos, escolas, sistema de saúde, setor privado e setores ligados à comunicação. “Assim vamos conscientizar a população e melhorar a oferta de alimentos, protegendo principalmente as crianças. Esse pacto caminhará junto com a manutenção de ações de uma agenda construída ao longo dos últimos anos.”

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.