sexta-feira, 20 de Fevereiro de 2015 12:47h

Publicação da Codevasf faz diagnóstico de piscicultura em quase 5 mil tanques-rede do Alto São Francisco

Com o objetivo de realizar um diagnóstico da situação da piscicultura no reservatório de Três Marias (MG)

Com o objetivo de realizar um diagnóstico da situação da piscicultura no reservatório de Três Marias (MG), a Codevasf publicou um relatório com dados de 2013 sobre a distribuição de áreas e de produtores de pescado em tanques-rede, volume de produção, preço médio e rentabilidade da criação de peixes, entre outras informações que dão uma dimensão do funcionamento da cadeia produtiva na região. O apoio da Codevasf à piscicultura em tanques-rede no reservatório teve início nos anos 2000 e, desde então, já gerou centenas de empregos para pescadores e agricultores ribeirinhos.

O trabalho foi conduzido pela equipe do Escritório de Apoio Técnico de Morada Nova de Minas. De 22 de maio a 1º de julho de 2013 foram realizadas visitas às estações de piscicultura, período em que foram levantados, entre outros, dados sobre questões administrativas, comerciais, produtivas, de manejo e sanitárias. O zootecnista Antonio Jessey, analista em desenvolvimento regional da Codevasf que acompanhou o processo, explica que a publicação é voltada ao setor governamental, que poderá gerar políticas públicas de forma a impulsionar e fiscalizar o setor; a empresas e produtores, que poderão ter dados históricos para expandir suas atividades e trazer seus negócios à região; e, finalmente, aos acadêmicos, que, de posse das informações divulgadas, poderão complementar suas pesquisas científicas.

“A importância desse documento está justamente em condensar e organizar esses dados de forma que possam ser usados de maneira prática. Outro ponto importante é que, com esse relatório e outros que virão posteriormente, seremos capazes de traçar um histórico da aquicultura em tanques-rede no reservatório de Três Marias, observar o crescimento ou retração desse setor na região ao longo de um período e estimar um quadro futuro de como estará a atividade daqui a dez anos, por exemplo”, completa o analista.

O chefe da Unidade de Desenvolvimento Territorial da Codevasf em Minas Gerais, Alex Demier, reforça que “o censo aquícola tem a intenção de levantar informações para serem utilizadas por parte das entidades de diversas áreas de atuação, como ferramenta para tomada de decisão, ordenamento da atividade e planejamento estratégico”.

De acordo com o levantamento de 2013, um total de 4.864 tanques-rede estão distribuídos em sete municípios – Morada Nova de Minas, Felixlândia, Três Marias, Abaeté, Pompeu, São Gonçalo do Abaré e Biquinhas –, com produção estimada em 554 toneladas de pescado mensais e 6,6 mil toneladas anuais. O preço médio do quilo de peixe eviscerado praticado nos municípios pesquisados, no período, foi de R$ 6,19, enquanto o preço médio do quilo do filé de peixe foi de R$ 18,47.

“Consideramos esse resultado muito positivo. A produção de pescado em tanques-rede no reservatório de Três Marias é bastaste nova, iniciada por volta de 2001, com unidades de demonstração e projetos de capacitação trazidos pela 1ª Superintendência Regional da Codevasf, com sede em Montes Claros. Quase 15 anos depois, observamos que a atividade, além de estar consolidada, também é umas das principais geradoras de recursos e de empregos”, observa Jessey.

Os exemplares do relatório do censo aquícola do reservatório de Três Marias têm número limitado e serão distribuídos a órgãos e entidades governamentais, instituições de ensino, bibliotecas, empresas privadas e produtores.

Porém, os demais interessados em ter acesso ao documento poderão fazer download do arquivo por meio do site:
http://www.codevasf.gov.br/principal/publicacoes/publicacoes-atuais.


Histórico

Construído em 1961, o reservatório de Três Marias, que está localizado na região do Alto São Francisco, em Minas Gerais, é um dos mais antigos dos grandes reservatórios brasileiros. Além de regularizar a vazão do rio e viabilizar a navegação, sua construção teve como objetivos principais a produção de energia elétrica e a instalação de projetos de irrigação.

Com área de inundação aproximada de 1.050 km² em sua cota máxima, o reservatório abrange oito municípios em seu entorno – Abaeté, Biquinhas, Felixlândia, Morada Nova de Minas, Paineiras, Pompeu, São Gonçalo do Abaeté e Três Marias.

Em 1978, como forma de mitigar os impactos causados pelo reservatório na migração de algumas espécies de peixes, a Codevasf iniciou a instalação da Estação de Hidrobiologia e Piscicultura (hoje transformado no Centro Integrado de Recursos Pesqueiros e Aquicultura de Três Marais), localizado no município de Três Marias (MG), objetivando a produção de alevinos para repovoamento e pesquisas limnológicas e ictiológicas no sentido de desenvolver e aprimorar técnicas de aquicultura em grandes reservatórios d’água.

No ano de 2001, a implantação de uma unidade demonstrativa de produção de tilápia em tanques-rede, em projeto-piloto conduzido pela Codevasf, foi o primeiro passo para o desenvolvimento da aquicultura no reservatório, que logo foi assimilada por um grupo de pequenos produtores. A atividade continuou crescendo e hoje gera centenas de empregos.

Ainda como forma de apoiar a estruturação da piscicultura no lago de Três Marias, a Companhia, em parceria com a Prefeitura Municipal de Morada Nova de Minas, construiu uma Unidade de Beneficiamento de Pescado para agregar valor à produção e permitir que o pescado ali produzido chegue a outras localidades de Minas Gerais e a outros estados. Por meio de convênio, a unidade está sob a gestão da Cooperativa dos Piscicultores do Alto e Médio São Francisco (Coopeixe), que reúne 120 sócios, em sua maioria compostos por produtores da agricultura familiar.

Alguns dos principais entraves enfrentados pelos produtores do reservatório são a diminuição do nível do reservatório devido à estiagem prolongada, a dificuldade na obtenção de licenças e autorizações para a atividade, o elevado custo da ração, entre outros. “Para que se conheçam os problemas de uma cadeia produtiva, é necessário entender, de uma forma mais específica, todas as etapas do processo e identificar todos os agentes envolvidos, direta ou indiretamente. As informações levantadas pelo censo possibilitam uma análise mais minuciosa do processo produtivo, facilitando o diagnóstico de possíveis falhas”, explica o engenheiro de pesca e analista da Unidade de Recursos Pesqueiros e Aquicultura da Codevasf, Marcel Assunção.

“O conhecimento e acompanhamento dos dados de produção aquícola, aliados aos trabalhos de pesquisas, de repovoamento dos rios, educação ambiental, desenvolvimento de tecnologias, capacitação, monitoramento da qualidade da água, bem como o apoio à produção e à comercialização do pescado, são ações que fortalecem a inclusão produtiva, promovem o desenvolvimento regional sustentável e criam novas perspectivas e oportunidades para as comunidades, com geração de ocupação, emprego e renda para a população”, comenta a gerente de Desenvolvimento Territorial da Codevasf, Izabel Aragão.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.