quarta-feira, 15 de Agosto de 2012 16:11h Gazeta do Oeste

50 multas por mês escancaram insegurança no transporte escolar

 Profissionais pagos para zelar pela segurança de estudantes no caminho entre casa e escola estão cometendo infrações no trânsito que colocam em risco crianças e adolescentes de Belo Horizonte. Mais de 50 multas foram aplicadas, por mês, no primeiro semestre deste ano a condutores de veículos de transporte escolar. A maioria por excesso de velocidade.
Dados da BHTrans mostram que, no primeiro semestre deste ano, foram aplicadas 324 multas. Se levado em conta que o período letivo é de fevereiro a junho, a média mensal de multas sobe para 81.

Do total de notificações, 93 foram resultado de denúncias. A BHTrans recebeu 173 reclamações de pessoas que alegaram flagrar os motoristas cometendo algum tipo de irregularidade. Depois de ser acionada, a autarquia convoca o motorista e o problema é confirmado ou não por meio da verificação do tacógrafo, aparelho que registra a velocidade do veículo.

No fim da manhã, o movimento é intenso nas portas das escolas e sobram irregularidades. O cenário no entorno do Instituto de Educação de Minas Gerais, no bairro Funcionários, por exemplo, é de desrespeito.

O Hoje em Dia flagrou veículos de transporte escolar parados em fila dupla, outros disputando espaço com carros de passeio e até ônibus estacionados em lugares indevidos para fazer o embarque de crianças. O desrespeito era cometido mesmo com a presença de policiais militares.

A capital possui, atualmente, 1.819 veículos na frota de transporte escolar. Além das denúncias, irregularidades podem ser checadas por meio de fiscalizações, segundo a BHTrans. “Há uma equipe em todas as regionais, além de um grupo exclusivo, que faz, diariamente, o combate ao transporte clandestino”, afirma o gerente de Controle de Permissões da empresa, Wellington Leal Pereira.

O presidente em exercício do Sindicato dos Transportadores de Escolares da Região Metropolitana de Belo Horizonte (Sintesc), Luiz Fernando Martins da Silva, afirma que os motoristas recebem orientações para atuar. “Sempre instruímos os condutores a se comportarem com gentileza no trânsito, controlar a velocidade (máxima de 60km/h), manter a higiene e limpeza do veículo, tratar com polidez pais e alunos e orientá-los da necessidade de utilizarem o cinto de segurança”. 

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.