quarta-feira, 31 de Outubro de 2012 04:25h Erik Ulysses

Acidente com motocicletas deixa três feridos no viaduto da Castro Alves

As vítimas envolvidas no acidente foram Adriano Marques Cunha, Ismael Pereira dos Santos, de 24 anos e Fabiana Maria da Silva de 33 anos. Todos os três eram condutores das referidas motocicletas.

Na manhã de ontem, por volta das 7h40 um acidente envolvendo três motocicletas deixou três pessoas feridas no viaduto da Rua Castro Alves. Em um dos pontos mais polêmicos das ruas de Divinópolis são comuns as reclamações à ponte da Rua Castro Alves, devido ao tamanho de seu elevado, que chega a atrapalhar a visão dos motoristas.  De acordo com o soldado Giuliano Faleiro da Silva, logo após o acidente a Polícia Militar foi acionada ao local. Ele contou que as três vítimas foram socorridas, sendo duas pelo Corpo de Bombeiros e a terceira por populares. “Nós fomos acionados aqui, via 190, onde ocorreu um acidente de trânsito envolvendo três motocicletas. Porém nós chegamos ao local e os três já haviam sido conduzidos pela Unidade de Resgate. Um foi para o Hospital Santa Mônica, o outro para o Hospital São João de Deus e o outro foi conduzido por terceiros para o Pronto Socorro. E até o momento nós não sabemos a versão oficial de como foi o acidente, apenas estamos aguardando no local a perícia comparecer para fazer os trabalhos e posteriormente a gente vai deslocar até o Pronto Socorro e aos hospitais para saber a versão dos envolvidos” contou o soldado.

 


Posteriormente foi divulgado que uma das motocicletas descia o viaduto, quando o seu condutor perdeu o controle e bateu contra as outras duas que estavam paradas no final da ponte, e em seguida colidiu contra a mureta de proteção.

 


As vítimas envolvidas no acidente foram Adriano Marques Cunha, Ismael Pereira dos Santos, de 24 anos e Fabiana Maria da Silva de 33 anos. Todos os três eram condutores das referidas motocicletas. De acordo com o Corpo de Bombeiros uma das vítimas foi atendida com escoriações no rosto e dois cortes de aproximadamente 10 centímetros na cocha esquerda, a segunda foi socorrida com fratura na tíbia esquerda e a terceira com escoriações no ombro esquerdo. Todos os três estavam conscientes.

 


Para o engenheiro mecânico Marivânio Martins, que passa todos os dias pelo local, devido a um ponto cego causado pela altura da ponte é comum ver situações de risco no local. Ele cobrou as autoridades para que a ponte seja melhor sinalizada quando tiver ocorrendo alguma obra próximo a ela, como ocorre agora. “Eu não estava presente, então eu não posso afirmar o que aconteceu, mas como eu passo por aqui sempre, todos os dias eu passo aqui duas ou três vezes, existe aqui um problema muito sério do ponto cego logo após a passagem da ponte. Então sempre acontece da construção estar descarregando alguma coisa ou da oficina estar entrando ou saindo com algum veículo e não existe a sinalização adequada no término da ponte. Então quando você começa a descer daquela ponte você tem um ponto cego, você não enxerga nada. E o trânsito estando parado aqui pode acontecer acidentes, como quase aconteceu comigo. Eu só peço para as autoridades quando for fazer algum movimento de carga ou alguém sair aqui, que sinalizem lá em cima para que não ocorra esse tipo de coisa porque pode ocasionar morte, o que quase aconteceu agora” desabafou.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.