quarta-feira, 21 de Novembro de 2012 04:01h Erik Ulysses

Acidentes com pedestres são cada vez mais comuns

De acordo com levantamento da Polícia Militar de Divinópolis, de 1º de janeiro até 31 de outubro deste ano já foram registrados 122 atropelamentos com vítimas não fatais, contra 99 no mesmo período do ano passado

No trânsito de qualquer cidade os pedestres formam a parte mais fraca e desprotegida dos que circulam diariamente pelas ruas todos os dias. A mistura da imprudência dos motoristas com a falta de atenção e o desrespeito dos pedestres com a sinalização é uma combinação que muitas vezes pode ser fatal.

 


No Brasil os números de acidentes envolvendo pedestres são alarmantes. De acordo com a Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (SEAD) a média de mortos no país vítimas de atropelamento é três vezes maior do que em países do chamado primeiro mundo. Esses números comprovam que os pedestres vivem uma verdadeira cena de guerra nas ruas e estradas brasileiras.

 


Dados da BHTrans (Empresa de Trânsito e Transporte de Belo Horizonte) apontam que somente nas ruas da capital mineira três pedestres são atropelados por dia nos principais corredores da cidade. Os atropelamentos já representam 13% de todos os acidentes de trânsito em BH.

 


De acordo com levantamento da Polícia Militar de Divinópolis, de 1º de janeiro até 31 de outubro deste ano já foram registrados 122 atropelamentos com vítimas não fatais, contra 99 no mesmo período do ano passado na cidade. Em contra partida o número de vítimas fatais caiu de oito para cinco no período analisado.

 


As causas mais frequentes dos atropelamentos são a alta velocidade dos motoristas, a falta de atenção, tanto por parte do pedestre quanto do motorista, a desobediência à sinalização e atravessar a rua em locais que não seguros.

 


Consuelo Toledo, educadora de trânsito da SETTRANS, contou que em Divinópolis foram tomadas diversas medidas para a proteção dos pedestres, como a colocação de faixas e semáforos para pedestres. Ela disse já ser possível notar que os motoristas respeitam mais os pedestres nas ruas da cidade. Contudo, os próprios pedestres não se preocupam com a sua proteção, muitas vezes desrespeitando a sinalização. “A gente desenvolve uma série de fatores para a segurança dos pedestres. A pintura das faixas, a colocação do semáforo para pedestres. A gente colou o semáforo do pedestre nos principais cruzamentos da cidade, e no semáforo foram colocadas placas pedindo par que o pedestre só atravesse no verde. Porque a gente percebeu que quando o sinal está vermelho para o pedestre e o carro vem em uma velocidade menor, esse pedestre atravessa. Então ele está correndo riscos também de estar acontecendo e causando acidentes.

 

De repente pode surgir uma moto que está virando e não vê o pedestre e vai causar um acidente e que é desconfortável para todo mundo. A gente percebeu que os motoristas já vêm parando para o pedestre na faixa. E o pedestre que é a pessoa mais vulnerável no trânsito não está tendo essa segurança com ele mesmo ao atravessar as ruas e tomando os cuidados devidos no trânsito” afirmou.

 


Segundo Consuelo, a SETTRANS vem trabalhando a junto à população a conscientização dos pedestres. Ela ainda deu dicas de segurança que essa faixa da população deve seguir para sua segurança. “A gente vem trabalhando na questão da sinalização pelo centro de projetos e através dessa sinalização a gente trabalha a conscientização das pessoas, que é a sensibilização de levar essa informação para eles, os perigos que eles estão correndo ao não obedecerem à sinalização. Então, a gente sempre pede para o pedestre atravessar na faixa. Onde não houver a faixa atravessar no cruzamento, porque o motorista vai estar visualizando melhor o pedestre.

 

Atravessar sempre em conjunto, porque se atravessa uma pessoa, o carro fica esperando, se atravessa outra em seguida o carro vai continuar esperando. Se for uma pessoa de cada vez o carro vai ficar parado sempre aguardando. Então aguardar um grupo de pessoas, para poder atravessar aquele grupo. Onde não tiver a faixa e o semáforo fazer o sinal de braço, que a gente chama de sinal de vida, que é esticar o braço para a frente com a mão aberta e aguardar que o veículo pare, para depois você atravessar. São sugestões que a gente dá como segurança para a travessia do pedestre” concluiu Consuelo.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.