quinta-feira, 24 de Outubro de 2013 03:48h Luiz Felipe Enes

Adolescente é feito refém por colega de trabalho em Divinópolis

Adolescente foi mantido em cárcere privado por outro funcionário de empresa têxtil no bairro padre Libério em Divinópolis. O rapaz responsável por manter o menor preso sob a mira de uma tesoura sofre de distúrbios psicológicos. Uma equipe do GATE, vinda d

Um rapaz de 22 anos manteve refém por aproximadamente cinco horas, um companheiro de trabalho na manhã de ontem, em uma fábrica têxtil, no bairro Padre Libério, em Divinópolis.  A Polícia Militar foi acionada por volta de 7h40. As primeiras informações relatavam que o funcionário começou a trabalhar às 7h da manhã e depois, com uma tesoura, ele tentou render o gerente da empresa e sem êxito partiu para outro trabalhador, de apenas 17 anos.

 


De acordo com a PM, Hayslan Michael de Faria, de 22 anos teve um surto psicótico e, a principio, a intenção seria de se matar. Em um primeiro instante, houve uma tentativa de negociação entre militares e o rapaz, no entanto não deu certo. A ação mobilizou diversas equipes da Polícia Militar, incluindo o Grupo de Ações Táticas Especiais (GATE), que veio de Belo Horizonte, para auxiliar nas negociações. O Corpo de Bombeiros e Polícia Civil permaneceram de prontidão no local.

 


Antes da chegada do GATE, foi colocado à disposição, um psicólogo que realizou as devidas orientações, a fim de evitar que o homem, que sofre de síndrome do pânico, não cometesse nada contra sua própria vida e também contra a do menor mantido refém. Ainda segundo a Polícia Militar, Hayslan Michael de Faria trabalha na empresa há quatro anos e nunca havia demonstrado um comportamento atípico ou fora do padrão, inclusive era considerado um bom funcionário por demais integrantes da empresa.

 

Doença

 


A junção da síndrome do pânico com depressão pode ter sido a motivadora para tal comportamento do funcionário na empresa. De acordo com a mãe do rapaz, Esmeralda Aparecida Languardia, há cerca de dois meses ele vinha se submetendo a um tratamento com um neurologista. O médico relatou à mãe do rapaz que ele estava em um avançado quadro de depressão, ligada à síndrome do pânico, e disse sobre a necessidade de um tratamento psiquiátrico emergencial para o filho.

 


“Durante essa noite de quarta-feira (23), ele não dormiu e só falava em suicídio. Inclusive encontrei uma faca no banheiro de casa. Ele está muito insatisfeito, porque recentemente fez uma cirurgia no braço e fizeram modificações na empresa”, comenta a mãe de Hayslan.
Militares conversaram com a mãe do rapaz para colher mais detalhes, entretanto, ela relatou que se o filho soubesse de sua presença no local, se mataria.

 

Negociação

 


Várias tentativas e diálogos entre a PM e o rapaz ocorreram durante o período da manhã. Hayslan relatou que queria acabar com própria vida, por várias vezes, e nada convencia o rapaz a abandonar a vítima e também se render. Segundo o capitão da Polícia Militar, Jocimar Lúcio dos Santos, por vários instantes ele ameaçou contra a própria vida. “Ele estava com uma tesoura e proferindo ameaças e somente aguardando o memento para fazer o que queria”, relata.

 


O pai do menor, C.S.M, de 17 anos, mantido em cárcere privado esteve também esteve no local, demonstrando preocupação com a situação em que seu filho estava inserido. “Espero que tudo acabe bem, só vi ele hoje rapidamente pela manhã, antes de ir para o trabalho”, afirma José Carlos Moreira.
Todavia, familiares só puderam acompanhar a situação do lado de fora da empresa, por medida de própria segurança, estipulada pela polícia, para não interferir na situação.

 

Gate

 


Uma equipe do Grupo de Ações Táticas Especiais (GATE) veio de Belo Horizonte até Divinópolis para apoiar na conduta das negociações, que nessa outra tentativa demandaria maior atenção. Durante a chegada dos agentes do GATE por volta das 11h da manhã, militares informaram a eles toda a real situação passada dentro do local. Com cautela, o grupo adentrou no estabelecimento e efetuou as negociações, para que o rapaz libertasse o jovem que estava refém. Um clima de tensão ficou visível e foi acompanhado por diversas pessoas. O trânsito em toda região foi bloqueado, caso o rapaz tentasse fugir. O acesso à região e também ao bairro Danilo Passos foi impedido durante toda a manhã de ontem.

 

Refém Liberado

 


À medida que as negociações iam avançando, a situação ia se acalmando. A equipe do GATE, conseguiu convencer o rapaz a libertar o adolescente, que era mantido refém sob a mira de uma tesoura.


Por volta das 12h30, o jovem foi liberado, mas houve certa resistência por parte do rapaz, transtornado. Aproximadamente 15 minutos depois, Hayslan acabou se rendendo. “O apoio do GATE foi necessário para que tudo ocorresse de forma tranquila. Houve ampla negociação. Primeiro ele soltou o refém e minutos depois se rendeu, por sorte, ninguém ficou ferido”, esclarece o Tenente Coronel da Polícia Militar, Marcelo Carlos da Silva.

 


O menor C.S.M, de 17 anos, mantido refém pelo rapaz, não apresentava nenhum ferimento e foi encaminhado ao Pronto Socorro Regional, para avaliação médica necessária. Já Hayslan Michael de Faria foi detido pela polícia e primeiramente também foi levado ao Pronto Socorro. Em seguida, o rapaz foi conduzido à delegacia de Polícia, onde deve responder por cárcere privado. Caso sejam identificados distúrbios psicológicos, medidas judiciais dentro da lei vão assegurar tratamento médico necessário.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.