quarta-feira, 25 de Janeiro de 2012 12:09h Flaviane Oliveira

Advogado acusado de agredir policial tem pedido de liberdade provisória deferido

Presidente da OAB diz que o advogado está bastante machucado

Após a ocorrência de que um advogado teria arrancado parte da orelha de um policial com uma mordida, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) em Divinópolis manifesta posicionamento de cautela. De acordo com o presidente da 48ª Subseção da OAB, Iris José de Almeida, ainda na sexta feira, data da ocorrência a OAB foi acionada para acompanhar o caso.
Iris contou à reportagem que no dia do fato não estava em Divinópolis, porém outros dois advogados foram até a delegacia para acompanhar a ocorrência, “O Dr. Euler Manata Elói que acompanhou parte dos fatos noticiados pela imprensa local e até nacional, onde deixou transparecer que o advogado é o único culpado naquele episódio. O Dr. Euler não ficou até o final do desenrolar dos trabalhos presididos pelo Dr. Ederson, delegado de polícia, porém, esteve acompanhando os trabalhos até o final o Dr. Valeriano com quem falei mais tarde e me informou que a fiança foi arbitrada pelo delegado em 10 salários mínimos e advogado não pagou por não dispor de tal quantia. Sendo então autuado em flagrante delito e encaminhado para o presídio Floramar” explicou.
Iris informou ainda que ontem (24) foi deferido o pedido de liberdade provisória em favor do advogado mediante pagamento de fiança que teve o valor revisto pelo juízo da 2ª. Vara Criminal de Divinópolis em Substituição ao juízo da 1ª. Vara Criminal onde tramitará o processo, “A OAB tomou conhecimento dos fatos na segunda-feira e eu pessoalmente contatei com a advogada do Dr. José Carlos, dando a ela a assistência necessária acompanhando o pedido até final decisão que culminou com a expedição de Alvará autorizando a imediata liberação mediante pagamento de fiança, sendo tal alvará encaminhado para a Delegacia de Policia e Presídio Floramar” ressaltou o presidente da Ordem. Porém, até o fechamento da edição, de acordo com o delegado da Polícia Civil Ederson Gonçalves Silva, a delegacia ainda não havia recebido qualquer alvará de soltura para o advogado.

MEDIDAS ADOTADAS
Quando questionado sobre as medidas tomadas frente ao caso, Iris explicou que a primeira medida da OAB está concentrada em tirar o advogado do presídio e posteriormente ele será ouvido para que possa apresentar sua versão dos fatos. O representante da ordem ressaltou ainda que se houver comprovação de culpa do advogado certamente será ele punido, porém, é necessário que o devido processo legal garantindo o direito de defesa sobre os fatos de que está sendo acusado.
Quanto a possibilidade de agressão sofrida pelo advogado, Iris disse que ele será submetido ao exame de corpo de delito para comprovar se houve agressão, “...ele está bastante machucado e as providências serão tomadas junto ao Comandante da PM em Divinópolis bem como junto ao Comando Maior em Belo Horizonte” relatou.
 

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.