terça-feira, 27 de Novembro de 2012 09:19h Erick Ulysses

Áreas de riscos começam a ser vistoriadas em Divinópolis para o período das chuvas

Ação conjunta entre a Defesa Civil, Corpo de Bombeiros e Polícia Militar teve início na manhã de ontem no bairro São João de Deus.

A Defesa Civil em conjunto com o Corpo de Bombeiros, Polícia Militar e agentes da Settrans iniciaram na manhã de ontem a vistoria de casas em áreas de risco em Divinópolis. As ações que começaram pelo bairro Alto São João de Deus, irão se estender por vários bairros e pontos da cidade até o dia sete de dezembro.
O tenente Viana, do Corpo de Bombeiros, explicou como está sendo realizada a ação conjunta entre os órgãos de defesa da cidade. “O Corpo de Bombeiros, em uma ação conjunta com a Defesa Civil e a Polícia Militar está fazendo uma vistoria nas áreas de risco. No caso de hoje, nós estamos aqui no alto São João de Deus, fazendo uma vistoria e uma orientação para a população que se encontram nas encostas. Além disso, nós estamos realizando uma vistoria no imóvel, na residência para ver o perigo de queda, de desmoronamento, de desabamento da residência. E também verificando a questão de um deslizamento de terra ou um desmoronamento e orientando a população quanto aos cuidados em relação à prevenção” disse. Além da vistoria das residências também estão sendo feitas o corte de árvores em áreas de risco, a retirada de entulhos e a limpeza de bueiros.
Ele contou ainda que caso alguma casa seja considerada de risco iminente as famílias serão orientadas a deixarem o local. “As famílias que estão em uma residência com um risco iminente, nós estamos orientando que essa família se retire da residência, procure uma residência de familiares ou amigos” afirmou.
De acordo com Gilberto Gonçalves o trabalho da Defesa Civil nesse momento, além de vistoriar as áreas de risco, é promover a limpeza e podas de árvores que possam ameaçar as residências. Ele contou que as pessoas que forem orientadas a deixarem as suas casas receberão acompanhamento de assistentes sociais e psicólogos. “A gente tem um trabalho com assistente social, com psicólogo, que vai conversar com a pessoa vai explicar a situação da área, o risco que ela está correndo, para que ela possa ser removida” explicou Gilberto.
A operação terá a duração de 10 dias. O tenente Viana explicou que as ações serão realizadas todas as manhãs até o dia sete de dezembro. Áreas de encostas, áreas onde ocorram riscos de desabamento, desmoronamento ou deslizamento de terra, bem como as áreas ribeirinhas e que são vítimas freqüentes de inundações serão vistoriadas.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.