quarta-feira, 18 de Junho de 2014 07:16h

Assaltos se tornam comuns na ponte do Porto Velho

Na maioria dos assaltos os criminosos são usuários de drogas

Os assaltos na ponte do bairro Porto Velho são frequentes e vêm sempre fazendo novas vítimas. Os assaltantes, na maioria das vezes, são usuários de drogas que param as pessoas na travessia da ponte, levando seus pertences. A própria polícia reconhece o problema.
O capitão da Polícia Militar de Divinópolis, Marco Paulo, ressalta que naquele local existe uma concentração de usuários de drogas e já ocorreram diversas reclamações da população em relação aos assaltos. A PM, por sua vez, faz patrulhamento constante de forma rotineira, mas algumas dificuldades são encontradas pelos policiais no lugar.
A linha férrea sob a ponte é frequentemente usada para fuga dos criminosos e favorece aos bandidos, que muitas vezes já avistam a chegada da polícia, além de dificultar o acesso dos policiais em perseguição. A própria ponte, os campos do Guarani e do Flamengo e o “carrapateiro”, que também é rota de fuga dos assaltantes.
“Verificamos agora de fato que precisamos voltar com essas abordagens mais intensificadas”, diz o capitão sobre a necessidade de policiamento ostensivo no local. Segundo ele, à noite acontecem os roubos com mais frequência porque os autores dos crimes aproveitam do anonimato do escuro e da facilidade da fuga. Marco Paulo diz que neste horário ocorre intensificação do policiamento, inclusive com as viaturas do Tático Móvel – compostas por três policiais –, fazendo assim uma abordagem mais dinâmica aos suspeitos.
Algumas orientações são dadas pelo capitão às pessoas que atravessam a ponte à noite. “Quando forem se deslocar por aquele local, se deslocar em grupo, evitar o local mais escuro e, se possível, optar pela via da direita, sentido Porto Velho”. Segundo ele, cerca de 26 furtos e quatro roubos foram efetuados este ano na ponte.
Marco Paulo diz que é de grande importância que as pessoas liguem e dêem queixa à PM em caso de roubo ou furto, independente do valor que seja levado ou mesmo que nada seja levado da vítima. Isso ajuda na prisão dos autores, e assim a polícia tem maior conhecimento dos casos que estão ocorrendo.

 

 

Créditos: Aaron Oliveira

© 2009-2018. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.