quinta-feira, 22 de Maio de 2014 06:44h Atualizado em 22 de Maio de 2014 às 06:49h. Jotha Lee

Aumento de roubos a postos de combustíveis chega a 400% nos últimos dois anos

Empresários do setor e Polícia Militar discutem hoje formas para aumentar a segurança

Somente nos três primeiros meses desse ano o Posto Marreco, distribuidor de combustível localizado no alto da Avenida Paraná, foi assaltado 17 vezes. “A insegurança hoje tomou conta de todos, desde o frentista até quem trabalha na administração. Os ladrões chegam, sacam a arma, anunciam o assalto e fogem tranquilamente levando o dinheiro.”
A afirmação é de Roberto Rocha, proprietário do Posto Marreco e diretor regional do Minaspetro, órgão de representação de todos os revendedores de combustíveis do Estado. Para tentar inibir a ação dos assaltantes, Roberto Rocha investiu nos últimos meses mais de R$ 4 mil em segurança, reforçando grades dos escritórios, ampliando o monitoramento por câmeras, além de outras medidas, incluindo orientações aos frentistas. “Adianta muito pouco, o que nós precisamos é de maior presença policial para aumentar a sensação de segurança. A gente já vem pedindo isso há algum tempo, mas a resposta quase sempre é que falta efetivo, faltam viaturas e outras dificuldades que nós até entendemos, mas é preciso encontrar uma solução”, pondera Roberto Rocha.
De acordo com ele, o Posto Marreco existe há 14 anos. “Nos primeiros 10 anos praticamente não havia assalto, depois passou a acontecer uma vez ou outra. Agora, nos últimos dois anos, a situação se tornou insustentável e são quase dois assaltos por semana. Pode-se dizer que os assaltos a postos aumentaram em torno de 400% nesse período. Está insustentável”, assegura. Para ele, é preciso encontrar uma solução em pareceria com a Polícia Militar para permitir que os empresários do setor continuem trabalhando.
“Aqui na Paraná a situação está muito difícil. Há poucos dias um homem assaltou sete estabelecimentos em sequênica. Começou no início da avenida e terminou aqui no posto, fugindo logo depois”, contou uma funcionária do Posto Marreco, que trabalha na área administrativa protegida por câmeras de segurança e pesadas grades, que só são abertas após a identificação pelo monitor e por voz.

 

 

REUNIÃO
Diante da insegurança dos proprietários dos postos revendedores de combustíveis de Divinópolis, Roberto Rocha encaminhou carta à Diretoria Estadual do Minaspetro, solicitando interferência junto às autoridades de segurança para tentar uma solução. A carta foi enviada na última segunda-feira e, diante da gravidade do quadro na cidade, imediatamente a Diretoria do Minaspetro entrou em ação. Foi feito um contato com o Comando da Polícia Militar em Minas Gerais solicitando a reunião, que foi prontamente marcada para hoje e vai acontecer às 16h30, na sede do 23º Batalhão.
Além da presença da Polícia Militar, dos representantes estaduais do Minaspetro e outros setores ligados à segurança pública, 38 empresários, proprietários dos 42 postos revendedores de combustíveis que operam em Divinópolis, participarão da reunião. “Precisamos encontrar uma solução, pois os postos se tornaram alvos diários dos ladrões e a situação realmente está insustentável”, finaliza Roberto Rocha.


Crédito da foto: Jotha Lee

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.