segunda-feira, 29 de Outubro de 2012 03:45h Gazeta do Oeste

Babá é acusada de esfaquear duas crianças em apartamento de luxo em Nova York

 Duas crianças foram esfaqueadas e encontradas mortas pela mãe na banheira de um apartamento de luxo de Nova York na tarde dessa quinta-feira (25). A babá Yoselyn Ortega, 50, que cuidava das crianças, e está internada em estado grave em um hospital da cidade. Ela é a principal suspeita do homicídio e está sob custódia policial.

A funcionária foi encontrada ao lado da banheira, com um corte profundo no pescoço que a polícia afirma ter sido feito por ela mesma. Os agentes dizem que a faca usada no crime também estava no local.

Segundo o porta-voz da polícia de Nova York, Paul Browne, as crianças foram atingidas por diversas facadas. Os agentes anunciaram nesta sexta-feira (26) que pretendem ouvir o depoimento de Ortega quando ela conseguir se recuperar dos ferimentos. A babá ainda não foi imputada porque não foi possível ouvir sua versão dos fatos.

Encontro Por volta das 17h30 locais (19h30 em Brasília) de quinta, a pediatra Marina Krim, 38, encontrou os corpos de Lulu, 6, e Leo, 2, dentro da banheira no apartamento da família no Upper East Side, um dos
bairros mais caros de Manhattan.

Krim havia buscado uma terceira filha, Nessie, 3, na escola de natação quando chegou em casa e encontrou o apartamento escuro. Ela perguntou ao porteiro se a babá e as crianças haviam saído, o que foi negado pelo
funcionário.

Segundo os vizinhos, a mãe gritou em tom desesperado ao voltar para o apartamento e encontrar as crianças mortas na banheira. Uma vizinha disse ao jornal "New York Times" que ouviu o síndico do prédio acusar Krim
de ter cortado a garganta da babá.

O pai das crianças, o executivo do canal CNBC Kevin Krim, soube das mortes pela polícia no aeroporto. Ele foi recebido pelos agentes após voltar de uma viagem de negócios. Em nota, a emissora de televisão
lamentou a morte e prestou condolências ao casal.

Personalidade Marina Krim mantinha um blog na internet em que comentava a criação dos três filhos. Pela descrição da mãe, Lucia, a mais velha dos irmãos, gostava de projetos de artes, balé e coisas relacionadas
às princesas. O mais novo, Leo, estava começando a andar.

Ortega, de origem dominicana, morava com sua família em um prédio do Harlem, subúrbio nova-iorquino.

Segundo o síndico do prédio, Fernando Mercado, a babá era uma boa pessoa, muito religiosa e de personalidade estável.
 

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.