terça-feira, 28 de Junho de 2011 10:37h Venilton Ferreira

Balanço do Feriado, embriaguez ao volante e falta CNH lideraram as estatísticas

Durante os quatro dias do feriado de Corpus Christi (23 a 26 de junho) de 2011, a Polícia Militar Rodoviária prendeu 57 motoristas por embriaguez ao volante nas rodovias estaduais. Houve queda de 17,07% no número de acidentes sem vítimas, com 136 ocorrências contra 164 registradas no mesmo feriado do ano passado. Já o número de acidentes com vítimas fatais aumentou de 17 para 20.


O número total de acidentes passou de 333 para 344, na comparação entre o feriado de Corpus Christi de 2010 e o deste ano. O aumento é 3,3%. As ocorrências deixaram 318 pessoas feridas, sendo que, no ano passado, houve 252 vítimas. Vinte e nove pessoas morreram no período, soma superior à do feriado de 2010, que teve 20 mortes.

 

 


Operações

 


A Polícia Militar Rodoviária deflagrou 1.919 operações nas rodovias estaduais e federais sob a responsabilidade do Estado, das 18h de quinta-feira, 23, até as 24h de ontem, 25. A prisão de 57 pessoas por embriaguez ao volante e outras 483 motivadas por conduzir veículo sem carteira de habilitação evidenciaram, mais uma vez, a imprudência como um dos fatores que tornaram as estradas mais perigosas.


Ao todo, foram fiscalizados 46.469 veículos, sendo que 3.864 ficaram retidos, 290 removidos e outros 74 apreendidos por irregularidades diversas. Cinco veículos roubados foram recuperados. Policiais militares prenderam 23 pessoas por envolvimento em outros diferentes crimes de trânsito.


Os policiais militares fizeram 270 testes de etilômetro (bafômetro), 46% a mais que no feriado de 2010, que teve 185 testes. A fiscalização de documentos dos motoristas e dos veículos resultou ainda na apreensão de 203 Carteiras Nacionais de Habilitação (CNH) e de 295 Certificados de Registro de Licenciamento de Veículos (CRLV).

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.