quarta-feira, 4 de Dezembro de 2013 05:23h Luiz Felipe Enes

Bebê que se afogou em caixa d’água apresenta melhoras

O Corpo de Bombeiros dá algumas orientações para cuidados dentro e fora de casa

Passado o susto por parte de familiares e conhecidos, o menino de apenas um ano e oito meses, que havia se afogado dentro de uma caixa d’água no bairro Quintino, em Divinópolis na quarta-feira passada (27), já deixou o CTI (Centro de Tratamento Intensivo) do Hospital São João de Deus e permanece internado num quarto da ala pediátrica.
Segundo o Corpo de Bombeiros, o pequeno bebê estava próximo a mãe, enquanto a mesma lavava algumas roupas, quando a criança caiu dentro de uma caixa d’água destampada. A mãe sentiu a falta da criança por perto e resolveu procurar pelo filho. Foi nesse instante que ela avistou a criança já dentro da água, aparentemente sem vida e já boiando com a cabeça para baixo.
A mãe imediatamente retirou o bebê da água e saiu sentido à rua procurando por socorro, quando entrou em uma escola. Os funcionários do local viram a situação e acionaram o resgate do Corpo de Bombeiros, que mesmo por telefone, orientou àquelas pessoas os primeiros procedimentos de socorro, o que de acordo com os Bombeiros, foi primordial para sua salvação.
Os Bombeiros chegaram até a escola onde o bebê estava. Ele apresentava palidez, respiração lenta e os batimentos cardíacos acelerados. A criança foi conduzida até o Pronto Socorro Regional, mas como o quadro médico exigia maior atenção, o pequeno foi encaminhado até o Hospital São João de Deus, onde deu entrada em estado grave. Ele permaneceu durante alguns dias, internado com o mesmo quadro clínico e respirando com a ajuda de aparelhos.
O Hospital São João de Deus, por meio da assessoria de comunicação informou que o bebê está internado em um quarto, e que este apresentou significativas melhoras, mas não puderam fornecer mais detalhes a pedido de familiares.

RECOMENDAÇÕES IMPORTANTES
Todos os pais de crianças, principalmente as mais novinhas conhecem muito bem a agitação dos pequenos no que diz respeito a curiosidade em ver e tocar as coisas ao redor. Vários acidentes com as crianças podem ser evitados com iniciativas desenvolvidas dentro de casa. O Corpo de Bombeiros orienta aos pais e responsáveis, atenção dobrada e algumas mudanças que podem contribuir para evitar acidentes.
Uma das primeiras dicas é não deixar as crianças totalmente sozinhas, sem a presença de um adulto supervisionando qualquer atitude dos pequenos. Tudo aquilo que possa oferecer risco deve ser mantido afastado, principalmente materiais cortantes ou que produzam chamas. Um exemplo são as panelas no fogo, durante o preparo de alimentos. “É importante colocar o cabo das panelas voltados para dentro do fogão, dificultando o acesso das crianças a este”, explica o Aspirante do Corpo de Bombeiros, Daniel Guimarães.
Outra recomendação que também vem da cozinha é sobre o gás. As válvulas que regulam a quantidade de substância conduzida até o fogão devem estar sempre fechadas. Ao coar o café, manter atenção especial em relação à água quente e os equipamentos utilizados, optando por deixar as crianças afastadas nesses momentos. 
As tomadas que conduzem energia elétrica também merecem atenção. Como muitas são baixas, quase no nível do chão, o risco de choque elétrico é grande. Já existem protetores que se encaixam diretamente nas tomadas. A medida evita que as crianças encostem o dedo e sofram choques.

CUIDADOS NA ÁGUA
Como o período mais quente do ano já se aproxima a atenção com as crianças na água deve ser constante. É o que instrui o Corpo de Bombeiros, principalmente em locais onde a presença de crianças em contato direto com a água seja constante. De acordo com o Aspirante Guimarães, pouca quantidade de água não remete a segurança. “Muitas vezes, alguns locais em que a água bate na altura do calcanhar em um adulto, pode ser propício ao afogamento de uma criança”, destaca.
O uso de alguns equipamentos próximo a regiões aquáticas pode ser de extrema necessidade. As crianças devem utilizar coletes e bóias, especialmente aquelas que passam pela cintura. A supervisão constante de adultos é a mais recomendada pelos Bombeiros. “É importante ressaltar que os pais das crianças devem acompanhá-las passo a passo. O uso de bebidas alcoólicas nessa época deve ser moderado, pois o álcool dispersa atenção. São por meio de medidas como essas, que muitos acidentes são evitados”, finaliza Guimarães.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.