quinta-feira, 13 de Setembro de 2012 11:31h Gazeta do Oeste

BRT na região metropolitana de Belo Horizonte, só em 2014

Os 11 Terminais de Integração Metropolitanos, anunciados pela Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas (Setop) em fevereiro de 2011 como solução para o transporte público entre as cidades no entorno da capital, não ficarão prontos para a Copa das Confederações, que será disputada em junho do ano que vem.

 

Com o cronograma apertado, na melhor das hipóteses, estarão em funcionamento para o Mundial de 2014. A previsão é que 10 terminais sejam construídos nas cidades vizinhas à capital e outros quatro sejam instalados em Belo Horizonte (ver arte ao lado). O custo estimado é de R$ 135 milhões.

 

A expectativa da Setop é que, nos horários de pico, pelo menos 53 mil pessoas sejam atendidas pelos terminais. Mas as contas não levam em consideração três estações, que ainda estão sob estudo: Terminal Betim, na BR-381, Terminal Tancredo Neves, na avenida Babita Camargos, em Contagem, e Tergip (onde funciona a atual rodoviária de BH).

 

Seis terminais funcionarão em sistema híbrido, com BRT e o ônibus convencional. Alguns veículos terão portas nas laterais esquerdas, na altura da plataforma do BRT, e do lado direito, com as escadas.

 

Esses ônibus utilizarão as pistas do BRT em construção na capital, nas avenidas Cristiano Machado, Antônio Carlos e Pedro I, além do Centro. Os seis terminais BRT da região metropolitana deverão ficar prontos para a Copa e, os demais, em 2015.

 

Menos veículos


Na avaliação do professor do Departamento de Engenharia de Transporte da UFMG Ronaldo Gouvêa, os terminais ajudariam a desafogar o trânsito no Centro de BH.

 

No entanto, afirma ele, o projeto apresenta problemas. “É preciso destacar que não há integração física e tarifária com o atual sistema da capital, o que significa, por exemplo, que o usuário pode ser obrigado a gastar mais caso tenha que utilizar duas linhas distintas”.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.