quarta-feira, 12 de Agosto de 2015 13:34h

Cães da Polícia Militar ajudam a desvendar crimes

Animais recebem adestramento referência no país e são parceiros do policial, ajudando a localizar drogas, armas e até pessoas desaparecidas

A Equipe das Rondas Ostensivas com Cães (ROCCA) da Polícia Militar de Minas Gerais (PMMG) comemora o balanço de sete meses.Cerca de 850 ocorrências foram feitas com o uso dos cães treinados, número cinco vezes maior que o registrado no mesmo período do ano passado. Cerca de 263 kg de drogas foram apreendidos, mais de meio milhão de reais recuperados e 30 pessoas detidas. Mais que números, a ROCCA celebra o reconhecimento no treinamento dos 228 cães dos 27 canis localizados em todo estado.

Por causa do faro apurado e treinado, estes animais conseguem localizar mais facilmente drogas ilícitas, explosivos, armas e pessoas desaparecidas. O canil da PM mineira é o único no país com a expertise de utilizar animais na atividade de capturas com cão solto, sendo o adestramento referência para outros estados do país. Por isso, o comando da PMMG autorizou, em 2015, a revitalização da matilha.

A atuação da equipe Rocca foi ampliada e agora participa dando apoio em rebeliões em presidiários, fugas em locais de risco, tráfico de drogas e rondas periódicas nos pontos mais sensíveis e nas rodovias do Estado de Minas Gerais.

O comandante da Rocca, major Cinério Gomes, está otimista: “O Comando da Instituição autorizou a ampliação dos treinamentos dos policiais militares e a melhoria das estruturas físicas das companhias. Isso tudo traduz o aumento da eficiência desta modalidade de policiamento”.

Dos vários casos apurados este ano, alguns merecem destaque:

Cão localiza meio milhão de reais em veículo apreendido

Uma picape foi apreendida durante a prisão de uma quadrilha em abril deste ano e encaminhada ao pátio de apreensão de veículos em Sabará.  Dias depois, um funcionário do pátio recebeu uma ligação anônima. Uma pessoa oferecia dinheiro para ter acesso ao carro. A polícia militar foi acionada e a revistou. Só depois da chegada dos cães farejadores Athyla e Qnara o dinheiro foi localizado em um compartimento criado no parachoque.

“Os bandidos tinham manuseado drogas antes de pegarem nas notas. Isso deixou cheiro no dinheiro e Athyla o encontrou. Sem ele, teríamos que desmontar o carro e corríamos o risco de não achar nada, porque os bandidos criaram um compartimento muito bem feito em vidro na estrutura veículo” comemora o tenente Jadir Paula Rocha, que participou da ocorrência. Veja abaixo o vídeo gravado por Rocha.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.