quinta-feira, 5 de Julho de 2012 09:32h Gazeta do Oeste

Comissão aponta envolvidos em esquema de jogo do bicho

Depois de três meses, a comissão concluiu ontem a principal parte da investigação e apontou que, por trás do funcionamento clandestino de 22 pontos de anotações de jogos do bicho e de máquinas caça-níqueis

A Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) vai acionar nos próximos dias as Corregedorias das polícias Militar e Civil, a Procuradoria Geral de Justiça em Minas e o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) para que esses órgãos tomem providências em relação ao envolvimento de policiais, um juiz e três promotores num grande esquema de corrupção que tem como principal beneficiário um bicheiro de Juiz de Fora, na Zona da Mata.

 

Depois de três meses, a comissão concluiu ontem a principal parte da investigação e apontou que, por trás do funcionamento clandestino de 22 pontos de anotações de jogos do bicho e de máquinas caça-níqueis na cidade, existe uma rede de corrupção em que os beneficiados pelas propinas chegam a lucrar até R$ 16 mil mensalmente. O esquema funcionaria há pelo menos dois anos.

 

Entre abril e junho, a comissão colheu 28 depoimentos de testemunhas e dos próprios acusados. Os relatórios de até 200 páginas trazem detalhes de como o bicheiro Frederico Arbex atuaria. Em troca das propinas, policiais civis e militares, conforme a comissão, seriam coniventes com o esquema. Na outra ponta, promotores e até um juiz não levavam as investigações à frente.

 

Ouvido pelos parlamentares, um outro bicheiro da cidade denunciou que recebeu a oferta para ter de volta um notebook apreendido numa operação em troca de R$ 10 mil. Na denúncia, o ex-bicheiro cita o delegado Fernando Camarota e os investigadores Alexandre Soares, o Carioca, e outro identificado apenas como Marcelo.

 

Em outro depoimento, um tenente contou ter sido ridicularizado pelo bicheiro Arbex ao tentar apreender caça-níqueis controlados pelo contraventor. Segundo o militar, o bicheiro garantiu que teria todo o material recuperado com a ajuda dos comparsas. Arbex é dono de seis lanchonetes e de uma boate em Juiz de Fora. Ele não foi encontrado ontem.

 

Mansões. Além da suspeita de cobrança de propina, a investigação trouxe uma outra revelação. Segundo o deputado Sargento Rodrigues (PDT), que preside a comissão, o capitão Yoshio Yamaguchi, comandante da 30ª Companhia da PM, outro suspeito de envolvimento no esquema para beneficiar o bicheiro, foi denunciado também por subordinados pelo desvio de materiais de construção que deveriam ser usados na reforma da companhia. Em vez de seguir direto para a unidade policial, parte do material era descarregada na casa do comandante.

 

Com um salário mensal de R$ 4.000, Yamaguchi teria erguido verdadeiras mansões ao longo de dois anos. Como mão-de-obra, diz a denúncia, ele obrigava os subordinados de quartel a fazer o trabalho de pedreiros. "O capitão tem cinco casas de luxo na cidade com um salário de R$ 4.000. Isso é suspeito", disse o Sargento Rodrigues.

 

 

 

 

O TEMPO

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.