quarta-feira, 24 de Agosto de 2011 10:00h Natalia Santos

Construtora é autuada por manter funcionários em alojamento precário

Ministério do Trabalho notifica construtora

Depois de uma denúncia dos próprios funcionários de uma construtora de Belo Horizonte, o Ministério Público do Trabalho realizou ontem, 23 de agosto, a retirada dos 111 homens que trabalhavam para a empresa e segundo o MPT, estariam em condição análogas a de escravos. Estes trabalhadores foram impostos a morar durante e período de trabalho na cidade, em um antigo motel localizado na estrada sentido Divinópolis/ Cláudio.

 

A construtora atua na construção de casas populares do programa Minha Casa Minha Vida no conjunto habitacional Copacabana.  A empresa emprega 172 funcionários, 111 de outras regiões do estado. De acordo com o Ministério Público do Trabalho, o alojamento onde os trabalhadores ficavam estava em condições sub-humanas. Para a operação o órgão contou com a ajuda de policiais militares de Divinópolis.

 

O local alugado pela construtora é uma construção inacabada e desativada. Diante das condições encontradas nos alojamentos o órgão notificou a empresa e determinou que fosse regularizada a situação de todos os funcionários que estivessem fora dos padrões exigidos por lei. Os funcionários foram encaminhados para diversos hotéis da cidade. Devido o acontecimento, cerca de 50 funcionários decidiram voltar para suas cidades. Hoje, 24 de gosto, a empresa fará a demissão dos funcionários que não pretendem trabalhar na obra. A empresa foi notificada e será autuada pelo MPT. Além disto, assinará um termo de conduta com o ministério, o qual fera o monitoramento da construtora no município. Mais informações sobre o caso, na próxima edição da Gazeta do Oeste.
 

Leia Também

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.