sexta-feira, 8 de Janeiro de 2016 10:16h Atualizado em 8 de Janeiro de 2016 às 10:18h.

DHPP prende suspeitos de homicídios em Belo Horizonte

A equipe de policiais do Departamento de Investigação de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP) conseguiu esclarecer nos últimos dias três casos de homicídios que ocorreram na capital mineira

Esses fatos ocorreram de forma brutal e, com o empenho dos policiais, resultaram com a prisão e identificação dos suspeitos.

O primeiro caso aconteceu no bairro Jardim Vitória, região Nordeste da cidade e terminou com a prisão de Kellly Cristina Delfino, 38 anos, Julio Cesar Delfino Ferreira, 18. No segundo caso, ocorrido no bairro Santa Rita de Cássia, região Centro-Sul, foi preso Wenderson Ramos de Oliveira, conhecido como Éder, 33. O último caso acabou com a prisão de Leonardo José Nunes de Moraes.

No bairro Jardim Vitória, mãe e filho são apontados como envolvidos no homicídio de Dário Arcanjo Evangelista, de 30 anos. Ele foi morto com cerca de 60 golpes de faca no dia 16 de outubro do ano passado. Segundo as investigações, Dário se desentendeu com Kelly durante uma conversa em um bar da região sobre quem teria tomado mais tiros e a discussão evoluiu para agressões mútuas. O delegado Emersom Morais explicou a dinâmica do crime. “Depois da discussão, a Kelly se ausentou do bar, fez um contato com seu filho, que chegou ao local com cerca de mais 10 pessoas e cometerem o crime”, contou.

Kelly está presa no Centro de Remanejamento Prisional (Ceresp) Centro-Sul e Júlio, no Presídio Nelson Hungria.

 

 

DEH SUL

Na Região Centro-Sul, O Wenderson é suspeito de matar Brenda Barbosa da Silva, 18 anos, e tentar contra a vida de Caio Marcio da Silva Soares, 19. Segundo as investigações, Wenderson teria ido ao encontro de Caio para se vingar da morte de seu irmão, Lucas Almeida de Jesus, o Lucão, ocorrida em 2013, cometida por uma gangue na qual Caio faria parte. De acordo com o delegado Felipe Forjaz, Brenda e o namorado, Caio, tinham saído à procura de sinal de internet, quando foram surpreendidos pelo suspeito. Ele fez vários disparos de arma de fogo contra Caio, que fugiu. Não conseguindo atingir o seu alvo, ele resolver matar Brenda. Ela chegou a ser socorrida ao Hospital de Pronto-Socorro João XXIII, mas não resistiu.

 

 

DEH NOROESTE

O terceiro caso, trata-se de um homicídio ocorrido em 2013, no bairro Pindorama, região Noroeste da capital. Leonardo José Nunes de Moraes, Jonathan Rodrigo da Costa de Paula e Rafael Nunes Teixeira são suspeitos de matar Artur Fernandes Oliveira de Sousa. O delegado Rodrigo Bossi conta como o crime aconteceu. “Os quatro moravam no bairro Colorado e o Artur era o responsável pela distribuição do craque nos arredores e por briga de disputa do comando do tráfico, ele tentou matar o Leonardo, o Jonathan e o Rafael, sem sucesso. Dias depois, os três se uniram para matar Artur. Eles deram dois tiros na vitima e depois colocaram fogo no seu corpo dentro de um carro”, explica.

Durante as investigações, a polícia apurou que a vitima morreu com os disparos da arma de fogo, mas, após a conclusão dos laudos, descobriu-se que ele morreu carbonizado. Leonardo está preso na Penitenciária Promotor José Costa, em Sete Lagoas, e os outros dois estão foragidos. “Estamos trabalhando para prender os outros envolvidos. Se alguém tiver alguma informação, favor repassar para o Disque Denúncia, por meio do telefone 181”, acrescentou o delegado.

O delegado Luiz Flavio Cortat, chefe do DHPP, lembrou a importância da prisão dos suspeitos e do esclarecimento desses casos. “A contínua busca da equipe do DHPP em esclarecer e prender os autores desses crimes mostra que a Polícia Civil realiza um trabalho incansável com o objetivo de esclarecer todos os casos, inclusive quando se trata de ocorrências com requintes de crueldade e, principalmente, com a morte de uma pessoa inocente como a da vítima Brenda, crime que causou enorme repercussão na comunidade local”, ressalta.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.