terça-feira, 28 de Abril de 2015 11:10h

Divinópolis segue posição inversa do Estado e reduz apreensão de menores

Em cinco anos a apreensão de menores aumentou 209% em Minas Gerais

Uma pesquisa realizada pelo governo federal revelou que em cinco anos a apreensão de adolescentes brasileiros em unidades para infratores cresceu 38%. A pesquisa foi realizada entre 2009 e 2013. O levantamento mostrou também que a minoria dos adolescentes foi apreendida por crimes contra a vida, como homicídio. Os principais motivos de apreensão foram roubo e tráfico.
O estudo apontou também que oito em cada dez adolescentes apreendidos têm mais de 16 anos. Os roubos, que estão no topo da lista como motivo de apreensão, respondem por 40% dos atos infracionais.
O tráfico de drogas, em segundo lugar, em 2002 era o motivo de 7,5% das internações e em 2013 saltou para 23,4%. Os homicídios representam 8,8% dos motivos de internação dos jovens, com 2.204 casos, dos 23,2 mil adolescentes apreendidos no país. Em seguida estão os estupros e os latrocínios (roubos seguidos de morte), que somam 3%.

MINAS GERAIS
O número de apreensão de menores em Minas Gerais aumentou 209% em cinco anos. Segundo dados da Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds), em 2009 foram registradas 30.655 apreensões, quando em 2013, 94.969 menores foram apreendidos. Os dados incluem registros de ocorrências feitas pela Polícia Militar, Polícia Civil e CBBM.
Já Divinópolis segue na contramão do Estado. A série que vai de 2009 a 2013, mostra que as apreensões em Divinópolis foram registradas apenas em 2011, quando 1.029 adolescentes foram apreendidos. O número caiu 10% em 2013, quando 917 jovens foram apreendidos.
Ainda de acordo com a Seds, os principais registros são de furto, tráfico de drogas, agressão, ameaça, lesão corporal, uso de drogas, dano, roubo, atrito verbal, desacato, porte ilegal de arma de fogo e receptação.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.