quarta-feira, 25 de Julho de 2012 13:36h Camila Caetano

Fábrica de roupas masculinas é incendiada no bairro São José

Na noite dessa segunda-feira (23), por volta das 22:30h, um incêndio numa fábrica de roupas masculinas, MX 72, destruiu o seu setor de acabamentos, danificando também grande quantidade de peças e máquinas do estabelecimento, localizado no Bairro São José, Rua Cascalho Rico. A proprietária, conhecida como Dodora, que mora próximo à fábrica escutou quando o alarme disparou. A princípio ela achou que alguém estivesse entrado no local, ou até mesmo algum animal, pois às vezes isso acontece. Quando viu que o alarme permaneceu acionado, a proprietária ligou para os seus filhos, que foram até o local em alguns instantes.

 


O incêndio aconteceu no último andar do prédio, deste modo, para conter as chamas, o único acesso era através das escalas, entretanto, Everson Carlos de Melo, filho de Dodora, e também dono da fábrica, conta que devido essa situação não puderam fazer nada relevante para diminuir o fogo. O mesmo ainda relata que acionou o Corpo de Bombeiros, que demorou por volta de 30 minutos para chegar, assim, “quando eles chegaram, já estava 80% controlado, nós tínhamos muitos extintores, e ainda pegamos alguns emprestados da fábrica de um amigo aqui. Quando chegaram eles fizeram só o rescaldo mesmo, e abriram as janelas para sair a fumaça”, relata Everson.

 

Everson também afirma que a fábrica possui seguro, que poderá diminuir seus prejuízos, “a gente já conversou com o corretor que fez o seguro pra gente, ele ficou de acionar, e tem 24 horas para vir, e agora é esperar pra ver o que fazemos, porque no primeiro momento a gente fica sem ação, não sabe as providências que vai tomar direito, até porque grande parte da produção aqui seria para o dia dos pais”. Neste sentido, a perícia ainda será feita para descobrir a causa certa do incêndio.

 

O prédio da fábrica é dividido em três setores, que são bordados, produção e acabamento, sendo que esta última, a incendiada, é de extrema importância para a finalização das peças de roupas, pois é responsável por casear, pregar botões, e arrematar, “então, o que produziu em dois três dias, estava aqui encima para dar acabamento”, complementa Everson.

 

A fábrica conta com uma produção de 5 mil peças por dia, deste modo, o proprietário comenta que se for dar o acabamento das roupas para terceiros realizarem, totalizará um prejuízo de 4 a 5 mil reais/dia. “Agora temos que contar com os amigos, minha prima que tem uma fábrica também já se prontificou, talvez a gente leve algumas máquinas, e de repente no primeiro momento a gente alugue algum maquinário para não ficar parado”, relata Everson.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.