segunda-feira, 2 de Fevereiro de 2015 11:58h

Forças Armadas vão proteger estruturas estratégicas durante os Jogos Olímpicos Rio 2016

As estruturas estratégicas – como, por exemplo, linhas de transmissão, subestações de energia e de abastecimento de água – receberão a proteção das Forças Armadas durante os Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016

Além disso, as tropas militares atuarão na fiscalização e controle de explosivos, defesa cibernética, segurança de autoridades de autoridades e da chamada “família olímpica”. As orientações gerais para a atuação do Ministério da Defesa (MD) e das Forças Armadas em apoio a essas atividades estão na Portaria n° 232, assinada pelo ministro da Defesa, Jaques Wagner, e publicada, nesta segunda-feira, no Diário Oficial da União. De acordo com a portaria, o Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas (EMCFA), a Secretaria Geral do MD e os Comandos da Marinha, do Exército e da Aeronáutica atuarão, de forma integrada, seguindo o modelo dos grandes eventos já realizados no país.


A portaria prevê ainda que as Forças ficarão responsáveis pela preparação de atletas militares de alto rendimento, na cooperação para o aproveitamento de áreas militares. O documento estabelece o apoio à organização dos Jogos 2016  e o uso de aeródromo militares para embarque e desembarque de passageiros e cargas, trânsito e estacionamento de aeronaves civis.

A missão das Forças Armadas nos Jogos Olímpicos seguirá o mesmo padrão já adotado nas Copas da Confederação, em 2013, do Mundo Fifa 2014; e na Jornada Mundial da Juventude. Nesses grandes eventos, as ações dividas em eixos estratégicos, tais como Defesa Aeroespacial e Controle do Espaço Aéreo; Fiscalização de Explosivos; Segurança e Defesa Cibernética, Prevenção e Combate ao Terrorismo (incluindo atividades de Defesa Química, Biológica, Radiológica e Nuclear – DQBRN), além da força de contingência.

O texto informa, também, que o plano de segurança será executado em cooperação com o Ministério da Justiça, Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, bem como os governos do Rio (Estado e Prefeitura), sede do Jogos Olímpicos 2016, e o Comitê Organizador Rio 2016.

Segundo estabelecido, as Forças Armadas também darão apoio à prevenção a incidentes e catástrofes, e vão realizar atividades de vigilância e controle de acessos e de inteligência, de segurança a instalações aeroportuárias e de repressão e combate ao terrorismo e ao tráfico de drogas. Serão utilizados meio aéreos, marítimos, terrestres e aeroespaciais.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.