sexta-feira, 26 de Agosto de 2011 10:02h Atualizado em 26 de Agosto de 2011 às 10:10h. Natalia Santos

Homícidios: investigações e reconstituição

Jovem assassinado no Icaraí era suspeito da morte do homem encontrado no 49. Já o homicídio do Cidade Jardim está praticamente elucidado, a reconstituição foi feita e os suspeitos confirmaram sua participação.

CRIME NO ICARAÍ

Um homem foi assassinado na noite da última quarta-feira, 25 de agosto, no bairro Icaraí. Tiago Magela de Souza, de 21 anos, chegou a ser socorrido, mas não resistiu. O suspeito do crime, um adolescente de 15 anos, foi apreendido ontem, 26 de agosto, em Carmo do Cajuru. A vítima no dia da sua morte foi ouvido pela delegacia depois de uma denúncia de que poderia ser suspeito da morte do homem encontrado no Rio Itapecerica neste final de semana. Não existe nenhuma prova contra ele e antes de morrer negou qualquer envolvimento com o caso.

 

De acordo com a assessoria  de comunicação organizacional do 23º Batalhão da Polícia Militar a solicitante da ocorrência, irmã da vítima, detalhou que o menor infrator “M” 15 anos, foi até a sua residência e efetuou dois disparos em direção a vítima que havia se refugiado no interior do imóvel, em seguida a vítima saiu de casa com uma faca na mão. Ainda segundo a solicitante, minutos depois da saída do seu irmão, populares foram até a sua casa e disseram que a vítima estava caída no mato e sangrando. Thiago foi socorrido pela Unidade Resgate e veio a falecer antes de chegar no Pronto Socorro Regional (PSR).

 

O delegado Marcelo Nunes, informou a Gazeta do Oeste que na tarde de quarta-feira, a delegacia recebeu uma denúncia de que Thiago estaria envolvido com o assassinato do homem encontrado no Rio Itapecerica nesse domingo. No depoimento ele negou qualquer envolvimento com a morte do homem encontrado boiando na Prainha do 49. Marcelo disse ainda que não haviam provas contra ele, e por isto foi apenas ouvido. Sobre algum envolvimento entre os dois casos, Nunes contestou e completou dizendo que ainda não podem ser feitas conclusões precipitadas.

 

Autor

 

O menor “M” acusado de assassinar Thiago foi encontrado ontem, em Carmo do Cajuru pela PM de cidade. Conforme informado, o menor infrator estaria escondido em uma residência no centro do município. Policiais Militares receberam uma denúncia e se deslocaram para o local onde conseguiram localizar o suspeito. Ele foi transferido para Divinópolis, tendo sido ouvido pela delegada responsável Gorete Rios.

 

HOMICÍDIO CIDADE JARDIM

 

Suspeitos confessam crime e participam de reconstituição

 

Durante a manhã de ontem, 25 de agosto, a Polícia Civil através do delegado Marcelo Nunes e peritos realizaram a reconstituição do homicídio do bairro Cidade Jardim. Os suspeitos confessaram o crime esta semana e participaram do detalhamento de como aconteceu o assassinato.

 

Os dois suspeitos envolvidos, um deles menor de idade, são responsáveis pela morte de Cirineu Caetano de 35 anos no último dia 13 de agosto. Ele foi baleado com oito tiros, sendo eles um no polegar esquerdo, dois no abdômen, quatro no peito e um nas costas, os quais foram disparados pelo menor. De acordo com o delegado, depois de uma intensa investigação chegaram a quatro suspeitos, sendo que destes, pai e filhos assumiram o crime. Na declaração, o pai envolvido relatou que passava pela rua quando começou a ser agredido pela vítima. Nisto, o menor assistiu a cena entrou em sua residência e pegou uma arma ameaçando Cirineu. Como não parou, segundo o suspeito, disparou contra ele, que continuou a brigar com um pedaço de pau com o pai. Nisto efetuou mais disparos. O pai do menor, ainda apresenta sinais da briga, na qual chegou a quebrar o braço. No depoimento ambos afirmaram que agiram por defesa, uma vez que foram agredidos com pauladas.

 

Sobre o depoimento dos vizinhos que disseram que a casa de Cirineu teria sido apedrejada, os dois negaram envolvimento com o ocorrido e até mesmo supõem que podem ter sido confundidos com outras pessoas por estarem passando pela rua no momento em que Cirineu procurava os suspeitos. O delegado explicou que a polícia ficou sabendo sobre a briga dos envolvidos e por isto começaram as buscas por indivíduos que estariam machucados. “Na reconstituição de ontem, pai e filhos relataram o acontecimento do assassinato conforme depoimentos e entregaram a arma que esta enterrada em um lote”, contou Nunes. O menor poderá pegar pena de até três anos de detenção e ficará durante o tempo determinado pela justiça no Centro Sócio-educativo de Divinópolis. O pai responderá um processo judicial e poderá pegar de 12 a 30 anos de cadeia.

 

Relembre

 

Cirineu residia na mesma rua onde foi encontrado morto. Morava com uma mulher, supostamente com quem mantinha relacionamento e que até o fechamento desta edição ainda não tinha sido localizada. Os moradores informaram que os tiros ocorreram por volta de 01h da madrugada..

 

 

 

 

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.