segunda-feira, 24 de Março de 2014 11:41h

Idosa cai no golpe do falso sequestro

Em Pará de Minas, uma idosa de 67 anos foi vítima do golpe do falso sequestro, por telefone, tendo o prejuízo de R$1.500, que depositou, segundo orientações do golpista, em uma conta da Caixa Econômica Federal.

A vítima fez o depósito sob coação do interlocutor, como exigência para que fosse libertada sua filha, falsamente sequestrada. A vítima narrou aos policiais militares que recebeu a ligação de um homem, afirmando que sua filha havia sido sequestrada e que era para a vítima fazer o depósito, para que esta fosse libertada.
A idosa, acreditando que de fato uma de suas filhas estivesse sob o poder dos criminosos, obedeceu todas as orientações, inclusive de jogar o comprovante de depósito em um vaso sanitário. Ela disse aos policiais que se lembrava de alguns dígitos do número da conta.
Depois disso, a vítima recebeu nova ligação de uma mulher, ainda afirmando que sua filha estava sendo mantida refém de sequestradores e que era para esta depositar na conta dos infratores, o restante do dinheiro que ela possuía em sua conta bancária.
Quando já ia fazer novo depósito para os bandidos, a vítima desconfiou da situação e ligou para outra filha e com sua ajuda, acabaram constatando que a idosa estava sendo vítima de um golpe.
Felizmente, a filha da vítima, que teria sido sequestrada, estava bem, não tendo ocorrido qualquer ação criminosa contra ela. Os militares anotaram todos os dados apurados com a vítima, como número das contas e dos telefones dos infratores e repassaram para a Polícia Civil, no devido Boletim de Ocorrência, para a continuidade das investigações.
Os números usados pelos infratores são da região 21, relativo ao Estado do Rio de Janeiro. Segundo apurado pelos militares, a vítima estava no seu trabalho, no Bairro Várzea, próximo ao Centro, no momento em que recebeu os telefonemas.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.