terça-feira, 26 de Julho de 2011 09:03h Atualizado em 26 de Julho de 2011 às 09:10h. Natalia Santos

Incêndio no centro foi causado por piromaníaco

Fogo foi proposital, bombeiros tiveram dificuldades para combater incêndio que foi proposital

Piromania para a Psiquiatria, consiste no desejo mórbido e incontrolável de provocar incêndios ou de atear fogo às coisas. A piromania é definida como o comportamento repetitivo de atear fogo de forma proposital e intencional. É um transtorno pouco conhecido e há até mesmo quem questione se de fato é um transtorno mental. De forma que, todo aquele que apresente estes sintomas é conhecido como piromaníacos e este pode ser o caso do suspeito de incendiar um lote no centro de Divinópolis na tarde de ontem (25).

 

O 10º Batalhão do Corpo de Bombeiros Militar teve dificuldades para conter um incêndio no lote que vai da rua Itapecerica à Catedral do Divino Espírito Santo. O fogo começou por volta de 16h30 e foram quase duas de combate até que conseguiram controlar as chamas. Com a vegetação seca e o aumento do vento nos últimos dias, o fogo lastrou rapidamente assustando muitos moradores que residem próximo ao local e também daqueles que passavam por ali. Foram necessários oito bombeiros para o controle das chamas e utilizado um caminhão-tanque de seis mil litros. Para ajudar a diminuir o fogo, os bombeiros também usaram abafadores. De acordo com o 10º Batalhão, o incêndio foi proposital e já possuem um suspeito. Esta pessoa, destacaram, possui um distúrbio mental, e costuma atear fogo em lotes e ela própria aciona os Bombeiros.

 

Sobre o assunto, em entrevista a Gazeta do Oeste anteriormente, o tenente Viana falou sobre as queimadas e intensificou a questão do ato ser criminoso. “Provocar queimadas em campos e lotes vagos é crime federal e também municipal. A população pode denunciar, uma vez que a sociedade também pode sofrer as consequência com as queimadas”, afirmou Viana. Em Divinópolis o regulamento que proíbe atear fogo em lote é previsto no artigo 64 da Lei 6.907 de 2008: “Os lotes vagos, no Município, independentemente de sua localização, deverão receber limpeza e capina, com periodicidade máxima de 04 (quatro) meses, com custos por conta dos proprietários, obedecendo critérios e normas a serem definidos pelos órgãos ambiental e de saúde, sendo terminantemente proibida a utilização de queimadas neste processo.”

 

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.